Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2010

Barbeado blog

Hoje me olhei no espelho e percebi uma coisa: estava a cara do Rob Zombie ( ou Bin Laden, Primo It, Chewbacca, Pé Grande, pseudo-comunista, Lobisomem, enfim.... você decide).
Percebi que estava na hora de ir cortar o cabelo e fazer a barba após 4 meses de "boicote" à tesoura.
Pensei em ir à um salão de cabeleireiro perto de casa, mas lembrei da última vez que fui em um: Ter que botar a cabeça dentro daquele tanque, passar shampoo, e ter o cabelo alisado, depois passa secador, e corta aqui, corta ali, pergunta se está bom, e corta mais... ARGH
Decidi pelo óbvio, ir ao barbeiro.
Mulheres e metrosexuais ( bichas que não se assumem) não entendem essa preferência masculina pelo barbeiro. É algo complexo na verdade.
Começa pelo ambente único, aquele salão com suas cadeiras antigas e aqueles velhinhos em pé com um jaleco branco com uma tesoura, um pente e uma navalha no bolso. Música antiga tocando no rádio, alguns clientes esperando a vez, ventilador que faz barulho, gente qu…

Saramaguiano Blog

Não é segredo que sou um fã de José de Sousa Saramago, o filho de pais analfabetos que ganhou um Nobel de Literatura e que há uma semana deve ter recebido uma carta com envelope roxo.
Não vou escrever uma mini-biografia sobre ele aqui, isso qualquer um consegue ler indo numa Wikipédia, e sim fazer uma singela homenagem.
Conheci a obra de Saramago quando um primo português veio nos visitar e trouxe de presente um livro chamado “A Caverna”. Comecei a ler, primeiro estranhando a forma como as frases são separadas, como os diálogos ocorrem e achando muito estranho... até o momento que li em voz alta! A partir do momento que me acertei com a escrita de Saramago, foi muito mais fácil me aventurar pela história de um oleiro misturada ao “mito” da Caverna, de Platão.
A partir daí, virei um fã do velhinho! Parti para ler “As intermitências da Morte”, que conta uma história interessante sobre quando a Morte decide parar de matar. Sim, cansada de ser mal vista, incompreendida, ela decide que ningué…