Pular para o conteúdo principal

Saramaguiano Blog

Não é segredo que sou um fã de José de Sousa Saramago, o filho de pais analfabetos que ganhou um Nobel de Literatura e que há uma semana deve ter recebido uma carta com envelope roxo.
Não vou escrever uma mini-biografia sobre ele aqui, isso qualquer um consegue ler indo numa Wikipédia, e sim fazer uma singela homenagem.
Conheci a obra de Saramago quando um primo português veio nos visitar e trouxe de presente um livro chamado “A Caverna”. Comecei a ler, primeiro estranhando a forma como as frases são separadas, como os diálogos ocorrem e achando muito estranho... até o momento que li em voz alta! A partir do momento que me acertei com a escrita de Saramago, foi muito mais fácil me aventurar pela história de um oleiro misturada ao “mito” da Caverna, de Platão.
A partir daí, virei um fã do velhinho! Parti para ler “As intermitências da Morte”, que conta uma história interessante sobre quando a Morte decide parar de matar. Sim, cansada de ser mal vista, incompreendida, ela decide que ninguém mais, num certo país, irá morrer. Imaginem os problema que isso não causou?
Depois disso, li “Cegueira”. Acho que esse não preciso mencionar. Quem ainda não viu o belo filme de Fernando Meirelles?
O seguinte foi “A história do cerco de Lisboa”, onde um revisor de textos, num rompante de tédio, decide mudar a história das Cruzadas, e ao mudar uma frase num texto sobre elas, acaba transformando Lisboa atual numa cidade islâmica.
Um dos meu favoritos é "A jangada de pedra", uma história em que a Península Ibérica simplesmente se desprende do resto da Europa e passa a navegar pelo Atlântico. Surreal!!
Mas, de longe, meu livro favorito do velhinho é “O Evangelho segundo Jesus Cristo”. Ousado. Herege. Mas PERFEITO. Mostrando um Jesus mais humano, e analisando por outra ótica certos fatos da Bíblia, Saramago criou um livro perfeito, que foi proibido em Portugal, sua terra natal, e fez com que ele, magoado, se mudasse para as Ilhas Canárias.
Não tem jeito, hoje ao saber do ocorrido fiquei triste de verdade, como se alguém próximo tivesse morrido. E ele não deixa de fazer parte da minha história, pois foi num fórum sobre Saramago que conheci minha esposa, e, como num conto de realismo fantástico, bem Saramaguiano, um casal se conhece e se apaixona, mesmo morando à léguas de distância.

Termino aqui com um pequeno trecho do primeiro livro de Saramago que li, e que até hoje diz muito sobre mim.

"...dizemos aos confusos, Conhece-te a ti mesmo,
como se conhecer-se a si mesmo não fosse
a quinta e mais dificultosa operação
das aritméticas humanas..."

José Saramago - A Caverna

Comentários

  1. Bela homenagem Alexandre!

    ResponderExcluir
  2. aah que legal, você gostava mesmo ;~ parabééns !

    ResponderExcluir
  3. Não só a literatura portuguesa perdeu um grande nome (vivo, pois viverá sempre nas suas palavras), mas toda uma geração que cresceu lendo Saramago. Parabéns pela homenagem.

    ResponderExcluir
  4. Primeiro eu fiquei triste com a notícia. Logo pela manhã, assim que abri o site do globo. E o resto do dia lembrei de você pra caramba, lá do trabalho não dá pra acessar blog nenhum. Mas eu tinha certeza que você teria preparado algo. Belíssimo texto. Assim como ele, também tive pena de vê-lo morrer.

    ResponderExcluir
  5. Não li quase nada de Saramago, mas sei da imensa contribuição que ele deixou para a literatura. Perde-se a pessoa, mas o escritor viverá para sempre.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. pARBÉNS, bELA hOMENAGEM!!! ÓTIMO BLOG E TE DOU UMA DICA, TENTA ACHAR UM TEMPLATE LEGAL PRO SEU BLOG!

    Abs.

    Gabriel Nelson Koller

    Blog do Nelso, visita:
    www.blogdonelso.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Limítrofe Blog.

Você acorda cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe e você quer um pouco de silêncio em sua vida pois no seu trabalho o telefone toca o tempo todo e em casa você tem vizinhos ouvindo música alta o tempo todo e na frente de casa tem uma porra de um lanterneiro.

E todo o dia a mesma coisa. E todo dia é o Dia da Marmota.

Você já nem aguenta mais ouvir seu n…

Dupliplusbom Blog

De uns tempos pra cá, por algum motivo que desconheço, uma galerinha "dubem" passou a querer controlar o que você diz, faz ou pensa. Tudo isso em nome da bondade, respeito e pluralidade. Oprimem contra a opressão. Censuram pela liberdade. Fazem malabarismos lógicos para taxar como ditaduras aquilo que não gostam e chamar de democracia ditaduras descaradas que compartilham de sua ideologia.

 Quem já leu o romance “1984” de George Orwell vai entender de cara essa questão. Essa galerinha "dubem" utiliza de duas ferramentas linguísticas que Orwell descreveu muito bem em sua distopia: duplipensamento e novilíngua. Basicamente, essas ferramentas visam moldar o pensamento a partir da mentalidade revolucionária e limitar a capacidade de comunicação e expressão dos indivíduos, transformando-os em meros robôs. 
O duplipensamento é o ato de aceitar simultaneamente duas crenças mutualmente contraditórias como corretas. Parece com hipocrisia, mas na verdade a pessoa REALMENTE acr…

Rockinriozístico Blog, parte 1

Ontem fui novamente ao Rock in Rio. Falem o que quiser, mas eu gosto desse programa de índio. E dessa vez o transporte foi até bem facilitado (NADA que se compare ao de 2001, com seus ônibus saindo de inúmeras partes da cidade, incluindo Vigário Geral), não sendo um grande inferno como o de 2013.

Basicamente descemos quase em frente à entrada, num terminal do BRT. Apesar da grande quantidade de pessoas, o fluxo seguia normal. 

A entrada em si demorou, pois havia uma fila pra já garantir a passagem do BRT na volta, a fila da revista e a da bilheteria, mas não foi nenhum absurdo. Demorava mais desviar das inúmeras selfies sendo tiradas. 

Havia, por alguma razão, uma área dedicada aos games e afins, com alguns cosplayers. E nunca escondi meu desprezo por esse tipo. 

Havia muita gente com camiseta do Rock in Rio. No Rock in Rio. Fiquei imaginando que seria um tipo de abadá pra uma micareta. 

Havia uma galera com roupa tipo de motoqueiro americano. Ou aquela galera parecendo punk. Ou metaleiro…