Pular para o conteúdo principal

Futebolístico Blog




Essa semana lembrei que detesto futebol.



Ver torcedores de um time, que está afundado na merda e sendo rebaixado pela terceira vez, comemorar loucamente a vitória sobre o rival, que é outra grande porcaria, realmente é algo que nunca entrará na minha cabeça.

Esse meu desprezo por esse esporte começou faz tempo na verdade. Pra ser sincero eu nunca gostei muito de esportes por equipe, tirando o vôlei feminino por razões óbvias, mas o futebol sempre teve um destaque por ser o esporte favorito do brasileiro médio e aparecer o tempo todo e todos falarem dele. Em especial passei a detestar o Vice da Gama por ter de conviver com tio e primo vascaídos.

O problema de um brasileiro, em especial um homem cis hétero (é, quis usar essxs termxs diumanas pois os acho hilários), é que a infinita maioria das pessoas acha MUITO estranho que um cidadão nos termos supracitados não curta o esporte bretão. As situações geradas são, no mínimo, curiosas. Por exemplo, as pessoas perguntam com uma naturalidade qual o meu time ( da mesma forma que perguntam o meu signo, como se isso tivesse alguma importância) e olham espantados quando digo que não torço pra nenhum time. Em seguida, perguntam se já assisti a algum jogo. Sim, já assisti. Já fui em estádio assistir jogo quando era criança, levado pelo meu pai e depois por um tio. Adulto, fui assistir ao jogo da final do Pan, times femininos. Nem por isso passei a gostar, fui pelas companhias.

Vez ou outra alguém diz "Ah, você não gosta pois não entende as regras!". Cara, se trata de 22 caras chutando uma bola pra ver quem consegue acertar no meio de um retângulo com uma rede. Não é exatamente Cálculo Avançado.

Outra coisa curiosa é que você acaba aprendendo o básico sobre cultura futebolística pra não ficar de fora da socialização básica. Acaba sabendo que Romário era bom, Pelé era bom, Ronaldo era bom, Garrincha era bom, que Flamenguista é mulambo, que Vasco é uma merda, que Botafogo só tem meia dúzia de torcedores e que o Tricolor é tudo viado. Mas não me pergunte sobre nenhum jogador atual, sobre a escalação do São Cristóvão em 1926 ou qual era a cor da meia do Sócrates em 89.

Mas o que nunca entenderei mesmo é torcer pra um time. Sério, um time nada mais é que uma empresa. Aquele craque do seu time desse ano pode estar te goleando ano que vem. Sério, não faz sentido essa idolatria por um clube. E as pessoas se agridem por isso. A zoação eu entendo, e apoio. Zoar é preciso! Mas se agredir por conta de um clube de futebol? Bicho, não faz sentido.

No final, uma das coisas que mais me faz detestar o futebol é mesmo o torcedor.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os 47 ronin, parte 2: A hora da vingança.

Como dito no post anterior,  o daimyo Asano Naganori se viu obrigado a realizar o seppuku por ter ferido um superior no palácio do Shogun.
Tal notícia foi levada para Oishi Kuranosuke Yoshio, conselheiro de Asano, que assumiu o comando e levou a família Asano para longe, antes de cumprir as ordens do Shogunato e entregar o palácio e o feudo para agentes governamentais.
Dos mais de 300 homens de  Asano, 45, junto com o líder Oishi, recusaram-se a permitir que o seu senhor não fosse vingado, embora o Shogunato houvesse proibido a vingança nesse caso. Sim, haviam casos em que a vingança era tolerada.
Eles se uniram, fazendo um juramento secreto para vingar seu mestre matando o vacilão do Kira, mesmo sabendo que seriam punidos severamente por isso.
Só que o Kira tava bem guardado, e sua residência tinha sido fortificada e a segurança reforçada pois todo mundo sabia que os samurai eram meio doidos. Os ronin perceberam que teriam que esperar a poeira baixar antes que pudessem ter uma peque…

Kitânico Blog 2, a Missão.

監督·ばんざい (Kantoku. Banzai!) ou "Glória ao cineasta!" é um filme autobiográfico de Kitano. É o segundo da trilogia autobiográfica, iniciada com Takeshis e terminada com Aquiles e a Tartaruga. Neste ele usa uma forma meio "Monty Python's The Meaning of Life", com várias esquetes meio com uma certa ligação entre si para contar criativamente sobre como um hiato criativo o está atacando. 
 É um filme bem difícil de descrever, é meio como se Ed Wood e Stanley Kubrick se juntassem numa só pessoa e fizesse um filme. E atuasse. E usasse um boneco de fibra como dublê. A forma como ele narra usa recursos propositalmente toscos de computação gráfica, pessoas agindo como se estivessem em anime e hilárias autocríticas a seu estilo e sua fixação por violência e Yakuza. 
Resumindo: Takeshi Kitano, interpretado por Beat Takeshi (Sim, são personalidades distintas) busca desesperadamente um novo gênero que trará o público de volta aos cinemas, visto que seus filmes nunca foram suces…

Kitânico Blog 3, o Desafio Final.

Nessa minha última ida ao festival de Takeshi Kitano na Caixa cultural eu revi "Zatoichi" de 2003. Adoro esse filme, tenho o DVD e sou fã do personagem.
 Zatoichi é um dos personagens de ficção mais conhecidos na literatura do Japão e TV. O personagem foi criado pelo escritor Kan Shimozawa e depois foi adaptado para a TV pelo Daiei Studios e originalmente interpretado por Shintaro Katsu.
 Zatoichi aparece como um anma san (massagista) cego que vagueia ganhando a vida realizando suas massagens, acupuntura e jogando dados. No entento, ele é um excelente espadachim do estilo Muraku-Ryu de kenjutsu e iai e também mostra habilidades em Sumo, taijutsu e kyujutsu.
 Ele não carrega uma katana comum, e sim uma shikomizue (espada disfarçada de bengala). Ou seja, ele passa a imagem de um massagista cego completamente indefeso. Isso, pra mim, é genial.
Então, Kitano sempre foi um fã de Chanbara (o nome original dos filmes de samurai) e nada melhor que esse personagem icônico pra fazer …