Pular para o conteúdo principal

Globalizado Blog...

Globalizado Blog...

Nesta última sexta-feira eu e Vanessa, a amada, fomos ao Riocentro para nossa tradição anual: A Feira da Providência.
A Feira da Providência é uma feira feita pelo Banco da Providência, para arrecadar fundos utilizados em obras sociais da Arquidiocese do Rio. Conta com a participação de quase todos os estados brasileiros e mais diversos países, cada um com alguns stands oferecendo produtos típicos.
Nossa viagem começou no centro do Rio, onde pegamos um ônibus que saía do Castelo e ia para o Riocentro, via orla. Mal o ônibus havia chegado ao aterro do Flamengo e já estava lotado, mas felizmente eu e Vanessa estávamos sentados. De cara a viagem já nos remeteu à Índia e seus trens abarrotados.
Depois ouvi o papo de uma mulher dizendo que lugar pra ter gente feia é o subúrbio, só com gente negra, feia e gorda. Isso já me remeteu à Alemanha nazista. Detalhe é que a madame estava pegando um coletivo, lotação, seja lá o nome que se dê. Se ela tivesse tanta grana assim, pegaria um taxi. Aliás, povo do subúrbio é mais educado e mais fresco que esse povinho "elitizado", visto que 2 horas da terde um suburbano não entraria num ônibus lotado como aquele. E nem ficaria gritando "ô piloto, para no ponto da padaria!" como fizeram alguns membros da abastada sociedade zona sulista.
Depois dessa imersão cultural no jet-set carioca, chegamos à Zona Oeste, Barra da Tijuca, um bairro localizado em, e pra ódio do pessoal da Barra que prefere ignorar esse fato, Jacarepaguá.
Pois bem, entramos na Feira da Providência, com seus inúmeros países mostrando seus mais variados artigos, costumes e a cultura. Uma mistura de linguagens e símbolos que mais parecia uma torre de Babel dos tempos modernos, com a vantagem de ser perto do mar. Tá, mais ou menos perto.
Pra variar, haviam coisas muito caras e cosias muito baratas, tudo uma questão de pesquisar e pechinchar. Nós mesmos saímos de lá com camisetas japonesas, talheres de madeira do Rio Grande do Sul, chocolates uruguaios, bugingangas chinesas e afins. E por pouco não compramos uns vinhos numa barraca de punks de São Roque.
Tem gente que acha a Feira da Providência um "programa de índio", o que não deixa de ser verdade, pois tinham algumas tribos representadas lá com seu "típico" artesanato feito de Durepoxi.
Mas onde mais eu poderia comer um yakissoba com coca light, comer um Pastel de Santa Clara na sobremesa e depois beber um delicioso Mojito cubano sem precisar procurar muito?

Comentários

  1. Karaka, naum deu para ir na feira da providencia... Bom, deixa para próxima! ^_^

    ResponderExcluir
  2. Tenho mta vontades de conhecer o Rio e suas qualidades :)

    ResponderExcluir
  3. eu acho muito legal esse tipo de "programa de indio" pq é um pouco disso que brasileiro precisa ao invés de ficar vendo bunda na tv. agora sobre o bus, fala sério, hoje quase bati numa mulher que estava sentada atras de mim e ficava fazendo aqueles barulhinhos com a boca como se tivesse um fiapo de alguma coisa grudada no dente. nojento...

    ResponderExcluir
  4. ah, que legal. aqui na minha cidade não tem essas feiras, mas eu adoro passear nelas. adoro comprar bugigangas e ver gente diferente =D
    legal seu blog. aonde você me achou??

    =*

    ResponderExcluir
  5. Feira boa aqui é o ver-o-peso mesmo ...mas se tiver muita frescurite é melhor nem chegar perto. Já passei muita raiva em ônibus também ... aqui ainda tem o calor pra piorar um pouco as coisas.
    beijos

    ResponderExcluir
  6. vanessa9:30 AM

    Foi muito bom mesmo meu amor!!! Vc só esqueceu de citar a carona que pegamos no carrinho de golf , e o queijo eu comprei da Ioguslávia eu acho...rss

    bjs

    ResponderExcluir
  7. Amei tudo por aqui... a sua forma de expressar idéias, o seu perfil, o template, o fato de vc ser carioca (risos) e principalmente, o começo dos posts... (globalizado blog foi demais...rs). Obrigada pelo comentário lá no DesBlog... como vc me achou? Ah! Curtiu o menino Jesus dentucinho? Ele é uma fofura... eu desenhei sem pensar em Jesus, na verdade. Mas eu resolvi postar no blog e como o povo pensa demais, iam acabar achando que eu estava grávida... aí fiquei meia hora pensando em um título e juntei dezembro + bebê. Han? Genial hein? Hahaha... é isso... bom natal, boa virada (ops) e um 2006 cheio de realizações... estarei sempre por aqui te lendo. Beijokas no coração!

    ResponderExcluir
  8. Anônimo8:08 PM

    You have an outstanding good and well structured site. I enjoyed browsing through it film editing classes

    ResponderExcluir
  9. Anônimo12:30 AM

    Obrigado por intiresnuyu iformatsiyu

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os 47 ronin, parte 2: A hora da vingança.

Como dito no post anterior,  o daimyo Asano Naganori se viu obrigado a realizar o seppuku por ter ferido um superior no palácio do Shogun.
Tal notícia foi levada para Oishi Kuranosuke Yoshio, conselheiro de Asano, que assumiu o comando e levou a família Asano para longe, antes de cumprir as ordens do Shogunato e entregar o palácio e o feudo para agentes governamentais.
Dos mais de 300 homens de  Asano, 45, junto com o líder Oishi, recusaram-se a permitir que o seu senhor não fosse vingado, embora o Shogunato houvesse proibido a vingança nesse caso. Sim, haviam casos em que a vingança era tolerada.
Eles se uniram, fazendo um juramento secreto para vingar seu mestre matando o vacilão do Kira, mesmo sabendo que seriam punidos severamente por isso.
Só que o Kira tava bem guardado, e sua residência tinha sido fortificada e a segurança reforçada pois todo mundo sabia que os samurai eram meio doidos. Os ronin perceberam que teriam que esperar a poeira baixar antes que pudessem ter uma peque…

"Cheio de Ki" blog

Você tem dificuldade em entender como funciona um moinho de vento? Ou como água vira vapor? Ou porque algo queima quando fica muito quente? Você pode até não saber aquelas fórmulas e cálculos da aula de física, mas sabe mais ou menos como o trem funciona e o que há de comum neles todos, não? Pois é, energia. Então, por que raios mistificar a palavra japonesa “Ki”? Pois é basicamente o que ela significa. Nós ocidentais costumamos ter certa dificuldade pra entender termos japoneses (orientais em geral na verdade) e, a maneira japonesa de se expressar acaba dificultando o nosso entendimento também. No caso do “Ki”, levamos o troço pra um nível esotérico, místico e imaginamos ser uma energia interna que nos faz soltar Hadoukens, ou algo como a Força em “Star Wars”. Nos parece um termo que só é utilizado por algum coroa igual ao Pai Mei, isolado em alguma montanha no lugar mais isolado, mas na verdade é um termo bem comum. Por exemplo: 磁気 (JIKI) , nos remete ao magnetismo. 電気 (Denki),…

Natalino Blog

Então, é Natal. Época de paz, confraternização, respeito, religiosidade, harmonia, solidariedade e muitas outras palavras bonitas. Resumindo, é epóca de hipocrisia.
Não, eu não sou contra o Natal e não, não sou contra as pessoas serem pacíficas, fraternais, respeitosas, religiosas, harmônicas, solidárias e outros adjetivos bonitos. Mas seria interessante se fossem assim o ano todo.
Mas o meu problema com Natal é outro. Meu problema com o Natal se resume simplesmente à atmosfera natalina. Minha dúvida é: Todo maldito lugar tem que ficar tocando música natalina????
Porra, eu juro que não aguento mais musiquinha de harpa, "Jingle bells" em ritmo de gospel music, Simone cantando música natalina, malditos brinquedinhos chineses tocando a mesma música em todos os camelôs... além da decoração. Juro que não aguento ver mais pinheiros, sininhos e guirlandas. Aliás, pra quem é alto esse problema fica ainda pior, pois toda hora damos uma cabeçada em alguma guirlanda. Aliás, uma dúvida que…