Pular para o conteúdo principal
Cinéfilo blog...

Neste feriadão fui com Vanessa, a amada, assistir ao filme "O Grito 2". Bem, pesoalmente gostei, mas imagino que quem não fale porra nenhuma de japonês e quem não saca porra nenhuma de folclore japonês vá achar o filme uma grande bosta. Motivo? Tradução porca dos diálogos em japonês (que são muito mais explicativos, além do fato de traduzir warui ki como "espíritos ruins", quando deveria ser "intenções ruins") e o fato do folclore japonês fazer pouco sentido para a grande maioria dos ocidentais. Definitivamente o primeiro filme foi bem melhor, mas com certeza o original japonês (Ju-on) foi bem melhor, simplesmente pelo fato de nao haver o tal choque cultural. É simples, o enredo do original se encaixa perfeitamente com a realidade e o folclore japonês, sem maiores explicações filosóficas ou culturais.
Aliás, essas adaptações feitas pelo cinema Yankee são meia-boca ao extremo! "The ring (O chamado)", "The grudge (O grito)" e "Dark Water (Água negra)" nem de longe podem ser comparados aos originais "Ringu", "Ju-on" e "Kuroi mizu", respectivamente.

Comentários

  1. Eu particularmente acho esses filmes todos iguais, grito, chamado e etc... haha Não faz muito meu gosto!

    Obrigada pelo comentário! Voltarei mais vezes.
    Até

    ResponderExcluir
  2. todos os filmes citados eu ja vi em original japones, e é incontestavelmente melhor, nao na qualidade da produçao (que nao e tao ruim assim) mas sim do enredo, e do ambiente que a historia cria.

    enquanto os filmes orientais simplesmente contam a historia (que subentende-se que as pessoas entendem o contexto cultural e historico) os filmes orientais se preocupam em explicar o que acontece o que tira muita da qualidade

    ResponderExcluir
  3. vanessa12:25 PM

    Ah..amor não foi tão ruim assim...foi até engraçadinho.rss

    bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Limítrofe Blog.

Você acorda cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe e você quer um pouco de silêncio em sua vida pois no seu trabalho o telefone toca o tempo todo e em casa você tem vizinhos ouvindo música alta o tempo todo e na frente de casa tem uma porra de um lanterneiro.

E todo o dia a mesma coisa. E todo dia é o Dia da Marmota.

Você já nem aguenta mais ouvir seu n…

Coisificado blog

Sabe como é ter realização profissional? Eu não.
Há um certo tempo venho notando que deixei de ser uma pessoa, o Alexandre Santana, e virei o "rapaz do ponto". Sim, eu cuido da frequência no porto do Rio, em especial da Guarda Portuária. É um trabalho. É digno. É honesto. Mas deixei de ser uma pessoa e me tornei um relógio de ponto. Fui coisificado.
Sim. Na maioria dos dias eu mal chego (07:00) e não ouço bom dia e sim um "Ei, o relógio está com defeito!" ou um "Oi, estou com um probleminha aqui no ponto..." e o pior de todos "Olha, vocês me deram falta aqui (sim, eu fui na frequência de um fdp aleatório e taquei falta, claro...)". 
Eu imagino que na maioria dos empregos realmente seja assim e que eu esteja reclamando de barriga cheia. Pode ser. O problema é que não estou lidando com clientes, e sim com pessoas que trabalham na mesma empresa que eu. Com a grande diferença que estou EFETIVAMENTE trabalhando, diferente da grande maioria.
Foda-se, …

Suicida blog

Quero morrer.

Não literalmente. Essa eu aguardo sem muita pressa, mas já sabendo que é inevitável.

É mais uma espécie de "morte figurada", por assim dizer. Aos poucos eu venho matando o Alexandre que foi construído ao longo dos anos e que meio que estacionou. Esse Alexandre já não tem mais muito espaço, esse Alexandre só faz merda e só se afunda.

Esse Alexandre trocou sonhos por segurança. Não que segurança seja ruim, pelo contrário, mas esse Alexandre se acomodou. Muito. Esse Alexandre virou uma pífia sombra daquele Alexandre cheio de sonhos, esperanças e "sangue nos olhos". Sei que aquele Alexandre não volta, ou pode voltar cheio de cicatrizes, mas ESSE Alexandre de hoje em dia precisa morrer.