Pular para o conteúdo principal

Crítico Blog...

Tem uma banda de rock ensaiando aqui perto da minha casa. Nada contra o estilo musical em si, adoro rock. Nada contra o horário também, e eu não dormirei tão cedo. E até gosto de ver uma banda de rock se formando aqui em Vigário Geral. Pra quem não conhece, Vigário Geral é um bairro situado na Zona Norte do Rio de Janeiro, na região da Leopoldina. Eu, por exemplo, sempre fui visto como uma criatura estranha por gostar de rock, portanto, me agrada muito que comecem a surgir bandas de rock numa região onde o pagode e o funk predominam. Mas é que esta banda em particular tem um pequeno problema. Na verdade são alguns pequenos problemas. Bem, pra começar, o baterista é uma bosta. Sim, ele é uma merda de baterista, acha que bater forte é tocar bem. O guitarrista é sofrível. O baixista é bom, vá lá. O vocalista, bem... o vocalista precisa primeiro aprender a manter um tom. Assim que ele aprender a manter um tom, precisa urgentemente deixar de querer cantar como o Axl Rose. Esse jeito estridente de cantar já me deixava irritado nos anos 90 e minha opinião não mudou desde então. Mas eles cantam um repertório bom até, desde as antigas do Capital Inicial, passando por Ratos de Porão, Inocentes, Legião e afins. Tava dando até pra levar legal. Até que eles começaram a cantar num idioma estranho, que eu nunca ouvi na minha vida. Demorei para perceber que os versos "Haidonidôu sinifraun, hei! Tínga! Heimaifrinderóu!" vinham da canção "Another brick in the wall" do Pink Floyd. Como eu até escuto Pink Floyd, mas não sou fã, relevei. Porém, pra despertar meu lendário mau-humor, eles destruíram uma canção que eu adoro. Confesso que demorei pra entender que as frases "Loráponga, buiudepnde dê nôu derá quefránoei" correspondiam à "Smells like teen spirit" do Nirvana. Ah, agora sim fiquei puto! Não bastava cantar mal, precisa destruir a minha música favorita? Na boa, quer cantar? Aprenda a cantar. Quer começar uma banda? Certifique-se de que todos os componentes sabem tocar seus respectivos instrumentos. Depois certifique-se de que aprendam um pouco de Harmonia. Quer cantar em inglês? Porra, aprenda a pronunciar as palavras pelo menos!
Mas, podia ser pior. Ao invés de haver uma banda de rock ensaiando em frente à minha casa poderia haver uma dupla de goianos ensaiando música sertaneja. Poderiam ser "us mano" da periferia de São Paulo cantando uns "répi". Poderia ser um grupo de Belém tocando Brega. Ou poderiam ser os típicos habitantes de Vigário Geral tocando Funk ou Pagode.

Olhando por esse prisma, até me considero sortudo.

Comentários

  1. rock sempre brother

    http://bananadae10.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. é...
    infelizmente para mim tem um "mano de sangue" que houve "repi" e pagode do meu lado...

    desgraçado seja ele!

    ResponderExcluir
  3. Ai ai ai, essas pessoas perfeccionistas são tão difíceis... Já teve um cara metido a saxofonista aqui na rua e só tive uma leve vontade de esfaqueá-lo mais nada, isso porque ele nem se atreveu a tocar mal alguma música que eu gostasse... Imagina o contrário...

    ResponderExcluir
  4. hahahahahaha essa foi boa! Mas também querer comparar a mais nova sensação de Vigário Geral com as bandas que citou é covardia neh? hahaha Se bem que o que sai de "rock" aqui no Brasil é muita porcaria. Boa sorte para eles e para seu blog!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Eu ouço rap, mas depende de quem cante. Na verdade eu só dois cantores que se aproximam do esilo:
    D2,O rappa e um que realmente é cantor de hip-hop; Pregador Luo.
    Cara, do que vocês está reclamando?
    Aposto que nunca ouviu leri bi.Isso mesmo a música dos Beatles em ritmo de arrocha.

    ResponderExcluir
  6. CORRIGINDO UM ERRINHO:
    Eu ouço rap, mas depende de quem cante. Na verdade eu só escuto dois cantores que se aproximam do esilo:
    D2,O rappa e um que realmente é cantor de hip-hop; Pregador Luo.Ouço Matsyahu, mas nãoé bem rap, né?

    Cara, do que vocês está reclamando?
    Aposto que nunca ouviu leri bi.Isso mesmo a música dos Beatles em ritmo de arrocha.

    ResponderExcluir
  7. To parecendo cantor de rap, mas errei de novo:
    "Cara, do que você está reclamando?"

    ResponderExcluir
  8. Anônimo3:48 PM

    Ah... em parte eu concordo, curto rock, muito mesmo, mas também não vou diminuir a importancia dos outros generos, embora eu ache gosto discutivel sim, mas para não desviar muito do assunto... Bem eles estão tentando tocar rock, ja é um bom começo "é rock" =D ... ( ao contrário do meu vizinho que toca pagode ¬¬') Eles estão tentando tocar os classicos, porra é ótimo ... agora se eles arranham o ingles, de uma tolerada como você mesmo disse, podia ser pior, recomende um cursinho de ingles pra eles, olha q bonitinho ja esta ajudando, só não deixe-os desviar para outro genero. "save the Rock in roll !!"

    "Aposto que nunca ouviu leri bi.Isso mesmo a música dos Beatles em ritmo de arrocha. "

    O_O" mata!!! isso é horrivel D=
    Beatles não, não podem fazer essa palhaçada com musica de tão alto nivel !! é quase como fazer polidance na cruz!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os 47 ronin, parte 2: A hora da vingança.

Como dito no post anterior,  o daimyo Asano Naganori se viu obrigado a realizar o seppuku por ter ferido um superior no palácio do Shogun.
Tal notícia foi levada para Oishi Kuranosuke Yoshio, conselheiro de Asano, que assumiu o comando e levou a família Asano para longe, antes de cumprir as ordens do Shogunato e entregar o palácio e o feudo para agentes governamentais.
Dos mais de 300 homens de  Asano, 45, junto com o líder Oishi, recusaram-se a permitir que o seu senhor não fosse vingado, embora o Shogunato houvesse proibido a vingança nesse caso. Sim, haviam casos em que a vingança era tolerada.
Eles se uniram, fazendo um juramento secreto para vingar seu mestre matando o vacilão do Kira, mesmo sabendo que seriam punidos severamente por isso.
Só que o Kira tava bem guardado, e sua residência tinha sido fortificada e a segurança reforçada pois todo mundo sabia que os samurai eram meio doidos. Os ronin perceberam que teriam que esperar a poeira baixar antes que pudessem ter uma peque…

Natalino Blog

Então, é Natal. Época de paz, confraternização, respeito, religiosidade, harmonia, solidariedade e muitas outras palavras bonitas. Resumindo, é epóca de hipocrisia.
Não, eu não sou contra o Natal e não, não sou contra as pessoas serem pacíficas, fraternais, respeitosas, religiosas, harmônicas, solidárias e outros adjetivos bonitos. Mas seria interessante se fossem assim o ano todo.
Mas o meu problema com Natal é outro. Meu problema com o Natal se resume simplesmente à atmosfera natalina. Minha dúvida é: Todo maldito lugar tem que ficar tocando música natalina????
Porra, eu juro que não aguento mais musiquinha de harpa, "Jingle bells" em ritmo de gospel music, Simone cantando música natalina, malditos brinquedinhos chineses tocando a mesma música em todos os camelôs... além da decoração. Juro que não aguento ver mais pinheiros, sininhos e guirlandas. Aliás, pra quem é alto esse problema fica ainda pior, pois toda hora damos uma cabeçada em alguma guirlanda. Aliás, uma dúvida que…

"Cheio de Ki" blog

Você tem dificuldade em entender como funciona um moinho de vento? Ou como água vira vapor? Ou porque algo queima quando fica muito quente? Você pode até não saber aquelas fórmulas e cálculos da aula de física, mas sabe mais ou menos como o trem funciona e o que há de comum neles todos, não? Pois é, energia. Então, por que raios mistificar a palavra japonesa “Ki”? Pois é basicamente o que ela significa. Nós ocidentais costumamos ter certa dificuldade pra entender termos japoneses (orientais em geral na verdade) e, a maneira japonesa de se expressar acaba dificultando o nosso entendimento também. No caso do “Ki”, levamos o troço pra um nível esotérico, místico e imaginamos ser uma energia interna que nos faz soltar Hadoukens, ou algo como a Força em “Star Wars”. Nos parece um termo que só é utilizado por algum coroa igual ao Pai Mei, isolado em alguma montanha no lugar mais isolado, mas na verdade é um termo bem comum. Por exemplo: 磁気 (JIKI) , nos remete ao magnetismo. 電気 (Denki),…