Pular para o conteúdo principal

Reclamão Blog

Tudo bem, sei que sou reclamão e mal-humorado mas, cacete, eu TENHO que reclamar de certas coisas na Baixada Fluminense.
Não, não é um lugar bizarro e isolado. Historicamente muito importante, é também uma das regiões mais populosas, só perdendo para a Capital, ficando à frente dos "papa-goiabas" do "outro lado da poça".
Populosa e com cidades grandes, com quase tudo que se encontra nos grandes centros urbanos, desde bons hospitais, shopping centers, boas escolas e faculdades, ótimos centros comerciais e por aí vai. Falam dos problemas com violência e infra-estrutura de alguns bairros, mas, raios, estamos no Brasil. Mesmo na capital paulista,a dita "Locomotiva do Brasil" (O que poderia explicar o fato do país estar indo devagar...), existem tais problemas.
O que me irrita na Baixada Fluminense, na verdade, é a mentalidade. Pombas, é complicado lidar com certas coisas lá. Certas coisas ainda são meio "acaipiradas", acho que não querem mudar tal mentalidade, sei lá. Um exemplo disso são os terminais rodoviários. Em basicamente todos a trilha sonora se resume a Callypso, música evangélica e Forró. Basicamente todas as lojas nesses termiais rodoviários se resumem a lojas de discos e artigos evangélicos (Nao me perguntem o que são artigos evangélicos, mas já vi action figures de personagens da Bíblia).
Outro grave problema é a tal "pressa" que acomete a baixada. Tudo bem que nos grandes centros o povo espera dar uma brecha razoável no trânsito de vias bem movimentadas pra um ou outro atravessarem correndo que nem doidos. Mas na Baixada não, basta dar um espaço mínimo pra uma multidão atravessar, e os motoristas que esperem.
Na baixada existem ótimos shopping-centers, como eu disse antes. Mas, caramba, eles devem ter algum problema com as praças de alimentação, sei lá. Fui em um certa vez em que era complicado transitar pela pela tal praça, visto que as cadeiras eram MUITO próximas umas das outras. E não, não eram soltas, eram fixas e somente giratórias. Fora a louça. Essa parte sim me deixa MUITO irritado. Eu mesmo moro num lugar meio ruim, mas, caramba, restaurantes aqui uilizam pratos de louça e talheres de metal. Nos piores shoppings da capital, os restaurantes de comida à kilo utilizam pratos de louça e talheres de metal, mesmo que você vá comer na praça de alimentação, e não dentro do restaurante. Mas, lá não. Da última vez que fui, e isso tem menos de um mês, os restaurantes só dispunham de pratos de isopor e talheres de plástico. Porra, só em churrasquinho eu uso isso, caramba, não em um shopping center onde eu estou pagando pela comida.
Ah, sim, outra coisa que notei foi que somente lá eu vi em vitrines de joalheria aquelas pulseironas e correntes de aros grossos, tipo as usadas por bicheiros. MÓ VIAGEM!
Mas essa mentalidade meio antiquada me rendeu algumas vantagens. Só assim pra eu achar um professor de karate que ensina como se ensinava antigamente, o que me faz estar na Baixada 3 vezes por semana.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os 47 ronin, parte 2: A hora da vingança.

Como dito no post anterior,  o daimyo Asano Naganori se viu obrigado a realizar o seppuku por ter ferido um superior no palácio do Shogun.
Tal notícia foi levada para Oishi Kuranosuke Yoshio, conselheiro de Asano, que assumiu o comando e levou a família Asano para longe, antes de cumprir as ordens do Shogunato e entregar o palácio e o feudo para agentes governamentais.
Dos mais de 300 homens de  Asano, 45, junto com o líder Oishi, recusaram-se a permitir que o seu senhor não fosse vingado, embora o Shogunato houvesse proibido a vingança nesse caso. Sim, haviam casos em que a vingança era tolerada.
Eles se uniram, fazendo um juramento secreto para vingar seu mestre matando o vacilão do Kira, mesmo sabendo que seriam punidos severamente por isso.
Só que o Kira tava bem guardado, e sua residência tinha sido fortificada e a segurança reforçada pois todo mundo sabia que os samurai eram meio doidos. Os ronin perceberam que teriam que esperar a poeira baixar antes que pudessem ter uma peque…

Natalino Blog

Então, é Natal. Época de paz, confraternização, respeito, religiosidade, harmonia, solidariedade e muitas outras palavras bonitas. Resumindo, é epóca de hipocrisia.
Não, eu não sou contra o Natal e não, não sou contra as pessoas serem pacíficas, fraternais, respeitosas, religiosas, harmônicas, solidárias e outros adjetivos bonitos. Mas seria interessante se fossem assim o ano todo.
Mas o meu problema com Natal é outro. Meu problema com o Natal se resume simplesmente à atmosfera natalina. Minha dúvida é: Todo maldito lugar tem que ficar tocando música natalina????
Porra, eu juro que não aguento mais musiquinha de harpa, "Jingle bells" em ritmo de gospel music, Simone cantando música natalina, malditos brinquedinhos chineses tocando a mesma música em todos os camelôs... além da decoração. Juro que não aguento ver mais pinheiros, sininhos e guirlandas. Aliás, pra quem é alto esse problema fica ainda pior, pois toda hora damos uma cabeçada em alguma guirlanda. Aliás, uma dúvida que…

"Cheio de Ki" blog

Você tem dificuldade em entender como funciona um moinho de vento? Ou como água vira vapor? Ou porque algo queima quando fica muito quente? Você pode até não saber aquelas fórmulas e cálculos da aula de física, mas sabe mais ou menos como o trem funciona e o que há de comum neles todos, não? Pois é, energia. Então, por que raios mistificar a palavra japonesa “Ki”? Pois é basicamente o que ela significa. Nós ocidentais costumamos ter certa dificuldade pra entender termos japoneses (orientais em geral na verdade) e, a maneira japonesa de se expressar acaba dificultando o nosso entendimento também. No caso do “Ki”, levamos o troço pra um nível esotérico, místico e imaginamos ser uma energia interna que nos faz soltar Hadoukens, ou algo como a Força em “Star Wars”. Nos parece um termo que só é utilizado por algum coroa igual ao Pai Mei, isolado em alguma montanha no lugar mais isolado, mas na verdade é um termo bem comum. Por exemplo: 磁気 (JIKI) , nos remete ao magnetismo. 電気 (Denki),…