Pular para o conteúdo principal

Reclamão Blog

Tudo bem, sei que sou reclamão e mal-humorado mas, cacete, eu TENHO que reclamar de certas coisas na Baixada Fluminense.
Não, não é um lugar bizarro e isolado. Historicamente muito importante, é também uma das regiões mais populosas, só perdendo para a Capital, ficando à frente dos "papa-goiabas" do "outro lado da poça".
Populosa e com cidades grandes, com quase tudo que se encontra nos grandes centros urbanos, desde bons hospitais, shopping centers, boas escolas e faculdades, ótimos centros comerciais e por aí vai. Falam dos problemas com violência e infra-estrutura de alguns bairros, mas, raios, estamos no Brasil. Mesmo na capital paulista,a dita "Locomotiva do Brasil" (O que poderia explicar o fato do país estar indo devagar...), existem tais problemas.
O que me irrita na Baixada Fluminense, na verdade, é a mentalidade. Pombas, é complicado lidar com certas coisas lá. Certas coisas ainda são meio "acaipiradas", acho que não querem mudar tal mentalidade, sei lá. Um exemplo disso são os terminais rodoviários. Em basicamente todos a trilha sonora se resume a Callypso, música evangélica e Forró. Basicamente todas as lojas nesses termiais rodoviários se resumem a lojas de discos e artigos evangélicos (Nao me perguntem o que são artigos evangélicos, mas já vi action figures de personagens da Bíblia).
Outro grave problema é a tal "pressa" que acomete a baixada. Tudo bem que nos grandes centros o povo espera dar uma brecha razoável no trânsito de vias bem movimentadas pra um ou outro atravessarem correndo que nem doidos. Mas na Baixada não, basta dar um espaço mínimo pra uma multidão atravessar, e os motoristas que esperem.
Na baixada existem ótimos shopping-centers, como eu disse antes. Mas, caramba, eles devem ter algum problema com as praças de alimentação, sei lá. Fui em um certa vez em que era complicado transitar pela pela tal praça, visto que as cadeiras eram MUITO próximas umas das outras. E não, não eram soltas, eram fixas e somente giratórias. Fora a louça. Essa parte sim me deixa MUITO irritado. Eu mesmo moro num lugar meio ruim, mas, caramba, restaurantes aqui uilizam pratos de louça e talheres de metal. Nos piores shoppings da capital, os restaurantes de comida à kilo utilizam pratos de louça e talheres de metal, mesmo que você vá comer na praça de alimentação, e não dentro do restaurante. Mas, lá não. Da última vez que fui, e isso tem menos de um mês, os restaurantes só dispunham de pratos de isopor e talheres de plástico. Porra, só em churrasquinho eu uso isso, caramba, não em um shopping center onde eu estou pagando pela comida.
Ah, sim, outra coisa que notei foi que somente lá eu vi em vitrines de joalheria aquelas pulseironas e correntes de aros grossos, tipo as usadas por bicheiros. MÓ VIAGEM!
Mas essa mentalidade meio antiquada me rendeu algumas vantagens. Só assim pra eu achar um professor de karate que ensina como se ensinava antigamente, o que me faz estar na Baixada 3 vezes por semana.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Limítrofe Blog.

Você acorda cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe e você quer um pouco de silêncio em sua vida pois no seu trabalho o telefone toca o tempo todo e em casa você tem vizinhos ouvindo música alta o tempo todo e na frente de casa tem uma porra de um lanterneiro.

E todo o dia a mesma coisa. E todo dia é o Dia da Marmota.

Você já nem aguenta mais ouvir seu n…

Coisificado blog

Sabe como é ter realização profissional? Eu não.
Há um certo tempo venho notando que deixei de ser uma pessoa, o Alexandre Santana, e virei o "rapaz do ponto". Sim, eu cuido da frequência no porto do Rio, em especial da Guarda Portuária. É um trabalho. É digno. É honesto. Mas deixei de ser uma pessoa e me tornei um relógio de ponto. Fui coisificado.
Sim. Na maioria dos dias eu mal chego (07:00) e não ouço bom dia e sim um "Ei, o relógio está com defeito!" ou um "Oi, estou com um probleminha aqui no ponto..." e o pior de todos "Olha, vocês me deram falta aqui (sim, eu fui na frequência de um fdp aleatório e taquei falta, claro...)". 
Eu imagino que na maioria dos empregos realmente seja assim e que eu esteja reclamando de barriga cheia. Pode ser. O problema é que não estou lidando com clientes, e sim com pessoas que trabalham na mesma empresa que eu. Com a grande diferença que estou EFETIVAMENTE trabalhando, diferente da grande maioria.
Foda-se, …

Suicida blog

Quero morrer.

Não literalmente. Essa eu aguardo sem muita pressa, mas já sabendo que é inevitável.

É mais uma espécie de "morte figurada", por assim dizer. Aos poucos eu venho matando o Alexandre que foi construído ao longo dos anos e que meio que estacionou. Esse Alexandre já não tem mais muito espaço, esse Alexandre só faz merda e só se afunda.

Esse Alexandre trocou sonhos por segurança. Não que segurança seja ruim, pelo contrário, mas esse Alexandre se acomodou. Muito. Esse Alexandre virou uma pífia sombra daquele Alexandre cheio de sonhos, esperanças e "sangue nos olhos". Sei que aquele Alexandre não volta, ou pode voltar cheio de cicatrizes, mas ESSE Alexandre de hoje em dia precisa morrer.