Pular para o conteúdo principal

Milenar Blog


  Definição de “milenar” no Michaelis: adj (lat millenariu) 1 Que diz respeito ao milhar. 2 Que contém mil. 3 Que tem mil anos; milenar. sm 1 Espaço de mil anos.



Dada a definição, dou início ao meu texto aleatório com algo que observei: As pessoas tendem a achar que “milenar” é sinônimo pra algo oriental com mais de 40 anos, principalmente se for relacionado às artes marciais. Sempre escuto alguém falar “a milenar arte do taekwondo” ou “o milenar Judo” e similares e fico me perguntando de onde eles tiraram isso.

A grande maioria das artes marciais praticadas hoje em dia é mais recente do que a  maioria das pessoas consegue imaginar.  Vejamos uns exemplos:

Aikido – Morihei Ueshiba começou a desenvolver o que hoje chamamos de Aikido nos anos 30. Há quem force a barra citando o Daitō-ryū Aiki-jūjutsu, arte que Ueshiba treinou, pra validar a “milenaridade”.  Só que Sokaku Takeda fundou este sistema no século XIX. Ou seja, não tem mil anos.

Karate – Desenvolvido em Okinawa (que era um reino, e agora faz parte do Japão, mas isso fica pra algum texto futuro. Ou não) e seus registros mais antigos datam do século XIV, quando Okinawa iniciou relações comerciais com a China (Sim, originalmente karate significa “Mão chinesa”). Mais de 500 anos, forçando a barra. Menos de 1000. Não é milenar.

Taekwondo – Fundado em 1955 na Coréia. Há quem force a barra falando das antigas artes coreanas, mas o taekwondo é basicamente karate. Inicialmente, hoje já tem vida própria. Mas longe de ter 1000 anos.

Muay Thai – Registros levam até, no máximo, ao século XV. Se forçarem a barra com o Muay Boran, aí vira milenar.

Judo – Criado em 1822 por Jigoro Kano. Podem forçar a barra com os estilos de jujutsu que ele treinou, mas mesmo assim ganha no máximo uns 400 anos. Não é milenar.

Hapkido – Veio do Aikido, e não do Daitō-ryū Aiki-jūjutsu como eles gostam de dizer. De qualquer forma, não seria milenar.

Kendo – Suas raízes datam no máximo ao século XVII, mas formalizado como está hoje, data dos anos 20. É um gendai budo, ou seja, arte marcial moderna. Não é milenar.

Kung-fu  - Termo genérico pras artes marciais chinesas. Dependendo do sistema pode ser milenar ou não.

Capoeira – Porra, o Brasil não tem 1000 anos.

Boxe – Olha, surpreendam-se. Seus registros datam de 688 AC. Milenar até o talo.


Mas a grande doidera vem do Brazilian Jiu-jitsu. Seus praticantes vem com o papo de era uma arte praticada por monges indianos. Isso explicaria o nome num Japonês errado.  E seria uma cena curiosa ver os mongezinhos indianos puxando o adversário pra guarda, passando o carro e finalizando. Mas não, é lorota. Há quem diga que ainda por cima foi dividido em Karate (socos e chutes), Judo (projeções) e Aikido (torções), e que só o Brazilian Jiu-jitsu é completo. Burrice, só isso. A bem da verdade os irmãos Gracie aprenderam o sistema com Mitsuyo Maeda, aluno de Jigoro Kano e Tsunejiro Tomita, da Kodokan. Ou seja, é Judo. “Mas por que se chama jiu jitsu?”. Porque na época o Judo se chamava “Kano ryu jujutsu”. Aí, sei lá, Carlos Gracie ouviu errado e entendeu “Jiu jitsu”. Não tenho culpa se ele não limpava os ouvidos.

Ainda quero entender essa fascinação em dizer que o sistema que você treina é milenar. E mais, há quem tenha orgulho em dizer que o tal sistema está inalterado há mais de sei lá quantos séculos. Não consigo compreender. Peguemos como exemplo o Boxe, que é, de longe, o mais antigo. Evolui constantemente. Pegue um vídeo de lutas antigas, dos anos 50, por exemplo. Mantém-se a “essência”, mas é mais do que nítida a mudança. E um pugilista não se orgulha de socar como um pugilista dos anos 50 socava, ele não está nem aí pra isso. E noto esse orgulho sem sentido na maioria dos sistemas marciais que se orgulham de ser milenares sem ser.


Errata:
Como explicou o sifu Marco Rodrigues:

"Vale lembrar que não existe nenhum estilo atual de Kung Fu milenar. As escolas de punho só apareceram em 1600. Mesmo o Shuai Jiao não possui uma linhagem definida. O que por ser também um termo genérico para técnicas de arremesso, consequentemente abrangendo métodos diferenciados, então seriam artes marciais diferentes com o mesmo nome. O que não é de maneira alguma um fato isolado na China, ocorre até hoje."







Comentários

  1. Caro amigo,

    Acho seu comentário um pouco simplório. Você deve lembrar que nenhuma arte marcial surgiu da noite para o dia, mas sim formou-se de um longo processo. Assim, quando alguém se refere à milenaridade de alguma arte marcial, creio que esteja considerando os anos gastos no desenvolvimento das várias artes que culminaram em sua formação. Não acredito que as pessoas ignorem que as artes marciais modernas são bastante recentes e que estão em constante evolução. Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu caro, se for assim as artes marciais surgiram quando um Australopiteco deu sua primeira porrada.

      Excluir
    2. Exatamente, assim é fácil. Bastou alguém aprender um soco ou chute e pronto, nasceu a primeira arte marcial no mundo.

      Excluir
  2. Bom artigo meu amigo Alexandre!

    ResponderExcluir
  3. Anônimo6:39 PM

    Otimo artigo

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Vale lembrar que não existe nenhum estilo atual de Kung Fu milenar. As escolas de punho só apareceram em 1600. Mesmo o Shuai Jiao não possui uma linhagem definida. O que por ser também um termo genérico para técnicas de arremesso, consequentemente abrangendo métodos diferenciados, então seriam artes marciais diferentes com o mesmo nome. O que não é de maneira alguma um fato isolado na China, ocorre até hoje.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa, boa! Mais tarde coloco uma errata! Valeu!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Limítrofe Blog.

Você acorda cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe e você quer um pouco de silêncio em sua vida pois no seu trabalho o telefone toca o tempo todo e em casa você tem vizinhos ouvindo música alta o tempo todo e na frente de casa tem uma porra de um lanterneiro.

E todo o dia a mesma coisa. E todo dia é o Dia da Marmota.

Você já nem aguenta mais ouvir seu n…

Dupliplusbom Blog

De uns tempos pra cá, por algum motivo que desconheço, uma galerinha "dubem" passou a querer controlar o que você diz, faz ou pensa. Tudo isso em nome da bondade, respeito e pluralidade. Oprimem contra a opressão. Censuram pela liberdade. Fazem malabarismos lógicos para taxar como ditaduras aquilo que não gostam e chamar de democracia ditaduras descaradas que compartilham de sua ideologia.

 Quem já leu o romance “1984” de George Orwell vai entender de cara essa questão. Essa galerinha "dubem" utiliza de duas ferramentas linguísticas que Orwell descreveu muito bem em sua distopia: duplipensamento e novilíngua. Basicamente, essas ferramentas visam moldar o pensamento a partir da mentalidade revolucionária e limitar a capacidade de comunicação e expressão dos indivíduos, transformando-os em meros robôs. 
O duplipensamento é o ato de aceitar simultaneamente duas crenças mutualmente contraditórias como corretas. Parece com hipocrisia, mas na verdade a pessoa REALMENTE acr…

Rockinriozístico Blog, parte 1

Ontem fui novamente ao Rock in Rio. Falem o que quiser, mas eu gosto desse programa de índio. E dessa vez o transporte foi até bem facilitado (NADA que se compare ao de 2001, com seus ônibus saindo de inúmeras partes da cidade, incluindo Vigário Geral), não sendo um grande inferno como o de 2013.

Basicamente descemos quase em frente à entrada, num terminal do BRT. Apesar da grande quantidade de pessoas, o fluxo seguia normal. 

A entrada em si demorou, pois havia uma fila pra já garantir a passagem do BRT na volta, a fila da revista e a da bilheteria, mas não foi nenhum absurdo. Demorava mais desviar das inúmeras selfies sendo tiradas. 

Havia, por alguma razão, uma área dedicada aos games e afins, com alguns cosplayers. E nunca escondi meu desprezo por esse tipo. 

Havia muita gente com camiseta do Rock in Rio. No Rock in Rio. Fiquei imaginando que seria um tipo de abadá pra uma micareta. 

Havia uma galera com roupa tipo de motoqueiro americano. Ou aquela galera parecendo punk. Ou metaleiro…