Pular para o conteúdo principal

Nipocarioca Blog




Todo ano, entre Agosto e Setembro, rola no Aterro do Flamengo a Festa do Japão, organizada pelo consulado japonês e entidades culturais e esportivas japonesas da cidade. Eu, pra variar, vou nessa festa como faço desde a primeira edição, visto que é uma das raras oportunidades que tenho pra comer karê.
Costumava participar mais ativamente, seja fazendo yakissoba, vendendo bebidas ou servindo karê, mas agora vou mais pra curtir mesmo, e venho notando a evolução da festa (notem que evolução não significa melhorar, e sim adaptar). Certas coisas não mudaram, como as primorosas apresentações do Rio Nikkei Taiko e da Associação de Kendo do Rio de Janeiro, sempre muito boas, além do delicioso karê.

Porém outras mudaram de uma forma que fazem com que eu me sinta uma espécie de "hipster da Festa do Japão", tipo:


A festa agora fica superlotada. Você mal consegue circular.

Cosplayers. Não vejo o menor sentido em pessoas andando fantasiadas nessa festa.

Pessoas com orelhas de pelúcia (?????)

Gente que só está lá pois é "di grátis", sem fazer ideia do que está acontecendo.

Apresentações bizarras tipo "Desfile de moda Harajuku" (What porra is that?), um tal de パラパラ (ParaParaque, até onde notei, se trata de umas meninas vestidas de Lolita Plus Size do Inferno fazendo a Dança do Autista no palco.

Apresentador paulistano fazendo gracinha.


Na real, eu tenho certeza que eu é que estou me tornando um velho ranzinza. Mas me incomoda ver culturas (em geral, não apenas a japonesa. A nossa, principalmente) sendo reduzidas à modas pop. Eu sempre gostei de me aprofundar em culturas e costumes diferentes, e acho estranho estarmos em uma era onde a informação se tornou algo de tão fácil acesso e as pessoas se contentam com versões diluídas. Enfim, isso é papo pra outro post. O que interessa nesse aqui é a Festa do Japão.

Então, ela ainda é muito boa, a comida é ótima, o atendimento é sempre simpático e as pessoas que lá estão trabalhando em geral nada recebem, o fazem por prazer. Eu sei, pois eu fazia assim. Fora que é sempre ótimo rever amigos, professores e pessoas queridas em geral, além de, é claro, comer karê.


Já mencionei que adoro karê?



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os 47 ronin, parte 2: A hora da vingança.

Como dito no post anterior,  o daimyo Asano Naganori se viu obrigado a realizar o seppuku por ter ferido um superior no palácio do Shogun.
Tal notícia foi levada para Oishi Kuranosuke Yoshio, conselheiro de Asano, que assumiu o comando e levou a família Asano para longe, antes de cumprir as ordens do Shogunato e entregar o palácio e o feudo para agentes governamentais.
Dos mais de 300 homens de  Asano, 45, junto com o líder Oishi, recusaram-se a permitir que o seu senhor não fosse vingado, embora o Shogunato houvesse proibido a vingança nesse caso. Sim, haviam casos em que a vingança era tolerada.
Eles se uniram, fazendo um juramento secreto para vingar seu mestre matando o vacilão do Kira, mesmo sabendo que seriam punidos severamente por isso.
Só que o Kira tava bem guardado, e sua residência tinha sido fortificada e a segurança reforçada pois todo mundo sabia que os samurai eram meio doidos. Os ronin perceberam que teriam que esperar a poeira baixar antes que pudessem ter uma peque…

Kitânico Blog 2, a Missão.

監督·ばんざい (Kantoku. Banzai!) ou "Glória ao cineasta!" é um filme autobiográfico de Kitano. É o segundo da trilogia autobiográfica, iniciada com Takeshis e terminada com Aquiles e a Tartaruga. Neste ele usa uma forma meio "Monty Python's The Meaning of Life", com várias esquetes meio com uma certa ligação entre si para contar criativamente sobre como um hiato criativo o está atacando. 
 É um filme bem difícil de descrever, é meio como se Ed Wood e Stanley Kubrick se juntassem numa só pessoa e fizesse um filme. E atuasse. E usasse um boneco de fibra como dublê. A forma como ele narra usa recursos propositalmente toscos de computação gráfica, pessoas agindo como se estivessem em anime e hilárias autocríticas a seu estilo e sua fixação por violência e Yakuza. 
Resumindo: Takeshi Kitano, interpretado por Beat Takeshi (Sim, são personalidades distintas) busca desesperadamente um novo gênero que trará o público de volta aos cinemas, visto que seus filmes nunca foram suces…

Kitânico Blog 3, o Desafio Final.

Nessa minha última ida ao festival de Takeshi Kitano na Caixa cultural eu revi "Zatoichi" de 2003. Adoro esse filme, tenho o DVD e sou fã do personagem.
 Zatoichi é um dos personagens de ficção mais conhecidos na literatura do Japão e TV. O personagem foi criado pelo escritor Kan Shimozawa e depois foi adaptado para a TV pelo Daiei Studios e originalmente interpretado por Shintaro Katsu.
 Zatoichi aparece como um anma san (massagista) cego que vagueia ganhando a vida realizando suas massagens, acupuntura e jogando dados. No entento, ele é um excelente espadachim do estilo Muraku-Ryu de kenjutsu e iai e também mostra habilidades em Sumo, taijutsu e kyujutsu.
 Ele não carrega uma katana comum, e sim uma shikomizue (espada disfarçada de bengala). Ou seja, ele passa a imagem de um massagista cego completamente indefeso. Isso, pra mim, é genial.
Então, Kitano sempre foi um fã de Chanbara (o nome original dos filmes de samurai) e nada melhor que esse personagem icônico pra fazer …