quinta-feira, junho 29, 2017

Grunge blog

 Fui então ver a exposição Nirvana: Taking Punk to the Masses, no Museu Histórico Nacional (que é um dos meus locais favoritos nesse Rio de Janeiro). 
 Não é segredo que sou um fã de Nirvana. Fiquei lembrando de quando conheci a banda. Foi em 90, uma época que eu tava me definindo musicalmente. Eu comecei ouvindo o saudoso Michael Jackson. Lembro que ouvia também Guns and Roses, mas não ligava muito para aquelas voz esganiçada do Axl, e um ou outro metal. Um dia, ouvindo a Fluminense FM (a extinta Maldita) e ouvi uma musica chamada "Love Buzz" e o nome da banda era NIRVANA. "Legal...", pensei, nome maneiro, mas aqueles acordes não saíam da minha cabeça. Fui procurando mais coisas sobre Nirvana, mas não encontrava. A única coisa que eu sabia sobre Nirvana é que era uma palavra que no Budismo significava um estado de libertação. Em 91 estava eu ouvindo a extinta Rádio Cidade, e começa uma música com uns acordes de baixo e logo após começa uma pancada sonora... caracas, vidrei naquela música. O nome dela? “Smells like teen spirit”. O nome da banda? NIRVANA. Daí foi muita coisa que aconteceu: decorei tudo que é música, usava camiseta da banda com camisa de flanela no calor carioca, fui no show na Apoteose... enfim, típico pirralhinho grunge dos anos 90. Diferente de hoje em dia, ouvir Nirvana era meio que uma forma de protesto. Ou de libertação. Pra quem não se lembra, o pessoal já tava meio cansado do marasmo do fim dos anos 80. Hoje em dia existem inúmeros festivais dos anos 80, mas a verdade é que quem viveu os anos 80 já estava de saco cheio deles. Só que no início dos anos 90, começa a surgir um movimento em Seattle chamado Grunge, e meio que como carro abre-alas vinha o Nirvana, numa posição não aceita por eles, diga-se de passagem. O Grunge se caracterizou por não ter aquele maldito virtuosismo dos anos 80, por ter letras que condiziam com a realidade dos fãs e, a sua melhor característica na minha opinião, pelo fato dos músicos se vestirem que nem gente, e não com couro, lurex e lycra. Não que o couro, lurex e lycra não tenham sua importância no rock, tem sim. Mas já estávamos de saco cheio disso. O Grunge meio que deu um pouco de ar pro rock respirar, e que acabou fazendo com que ele voltasse com força total, seja qual for sua vertente. O visual lenhador não era pra lançar moda, e sim era a roupa que eles usavam no dia a dia, só isso. Nirvana nem era a “melhor” banda do movimento, mas foi, e é, minha preferida.
 Ver a exposição não foi apenas ver a minha banda favorita. Foi uma viagem no tempo e nos sentimentos. Não apenas relativos ao Grunge em si, mas de tudo na época. Vitórias, conquistas, derrotas, perdas pessoais, pessoas queridas que já se foram... Ver essa exposição também me fez ficar triste ao lembrar que Cobain, Staley, Weiland e Cornell já morreram. Talentos que foram embora cedo demais.
 Uma coisa que me dá pena dos garotos de hoje em dia é o fato deles não terem a exata noção do que foi o Nirvana. Eu sei como é isso, afinal eu curto Beatles, Elvis e afins. Não vi Elvis num palco, só o conheci em gravações. O mesmo acontece com estes garotos que, sendo fãs de Nirvana, não terão a chance de ver a banda fazendo sucesso, de aguardar o lançamento de um novo disco, de juntar uma grana pra ir no show dos caras e, num dia de abril de 94 ao assistir o Jornal Nacional receber a notícia de que seu ídolo deu um tiro na cabeça e se juntou às lendas do rock em algum grande show eterno.

Imagem relacionada

Nenhum comentário:

Postar um comentário