Pular para o conteúdo principal

Fingido Blog


"O poeta é um fingidor

Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente"


 Embora não seja poeta, sou uma pessoa, não tão complexa quanto o Pessoa, e finjo que é dor a dor que deveras sinto. 
Todo dia, ao acordar, preciso achar um motivo pra levantar e encarar o trânsito e o emprego que, apesar de pagar direito, não traz satisfação alguma. Basicamente o motivo que encontro é poder cuidar da pessoa que amo. Ou simplesmente falo pra mim mesmo "Você é pobre, Alexandre", e me convenço a sair.

Não tô tentando fazer texto que faça sentido ou qualquer coisa. Tá mais pra um desabafo, apenas. 

Tô cansado. Não fisicamente, mas na "alma", se é que isso existe. Esgotado. Esvaído. Parece que está num nível celular, se é que essa comparação faz algum sentido. 

Não, não estou fazendo carta de despedida, não pretendo me matar nem nada disso. Não faz meu estilo. Dá trabalho, é sujo e deixa as pessoas que você ama devastadas. Não que esse pensamento já não tenha surgido na cabeça, até mesmo por conta da depressão diagnosticada há anos. Mas sempre fui mais do "encara de frente e foda-se". E não tenho intenção de mudar essa atitude. 

Mas confesso um certo alívio que Nembutal seja difícil de se conseguir.

Depression

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ilusório blog

A Síndrome de "Botinho".

 Existe no litoral carioca, desde os anos 60, um projeto do Corpo de Bombeiros chamado "Projeto Botinho". O projeto visa estimular a prevenção de acidentes marítimos por meio de brincadeiras.
Semana passada um estagiário ( o elo entre humanos e cafeteiras) me contou que ele já fez parte de tal projeto, e como isso gerou nele uma falsa sensação de segurança. Ele narrou que fez parte do projeto por 3 meses, aos 11 anos de idade, e aos 15 foi brincar numa piscina de ondas na Baixada.Foi alertado para não ir para a parte funda pois era muito forte, mas estufou o peito e disse "Coé, eu fui botinho!".

Quase se afogou.

Isso me fez lembrar do Efeito Dunning-Kruger, onde a pessoa possui um conhecimento pequeno, mas acredita saber mais que especialistas.

Eu passei por isso uma vez. Treinava Aikido havia um tempo, e fui fazer umas aulas de Luta Livre. Na hora do sparring, o professor perguntou "Sabe alguma coisa sobre aplicar e defender…

Memento mori.

Ontem, após o almoço, fui ao banco pagar umas contas. Ao virar a esquina, umas faixas amarelas limitavam a passagem e um reflexo prateado não deixavam dúvida: um cadáver coberto por um cobertor térmico, em frente ao banco.
Ao entrar no banco, perguntei à recepcionista se havia sido assalto. Não foi. A pessoa simplesmente caiu morta. Puxaram o cabo do outro lado da Matrix.
Eu cresci acostumado a ver cadáveres na Vigário Geral dos anos 80 e 90. E sempre muito sangue e vísceras. Mas essa morte em si me bateu mais fundo. Não foi um ato de violência, já banalizada. A vida simplesmente cessou numa quinta-feira chuvosa numa esquina movimentada do centro do Rio.

Por uma estranha coincidência, o sistema do banco caiu também naquele momento. Então voltei ao trabalho.

Mais tarde, voltei ao banco. O sentimento sobre a morte do desconhecido bateu mais pesado ainda. Antes haviam dois agentes do Centro Presente e mais uma ambulância do SAMU. Algumas horas depois ainda estavam lá as fitas amarelas …

Coisificado blog

Sabe como é ter realização profissional? Eu não.
Há um certo tempo venho notando que deixei de ser uma pessoa, o Alexandre Santana, e virei o "rapaz do ponto". Sim, eu cuido da frequência no porto do Rio, em especial da Guarda Portuária. É um trabalho. É digno. É honesto. Mas deixei de ser uma pessoa e me tornei um relógio de ponto. Fui coisificado.
Sim. Na maioria dos dias eu mal chego (07:00) e não ouço bom dia e sim um "Ei, o relógio está com defeito!" ou um "Oi, estou com um probleminha aqui no ponto..." e o pior de todos "Olha, vocês me deram falta aqui (sim, eu fui na frequência de um fdp aleatório e taquei falta, claro...)". 
Eu imagino que na maioria dos empregos realmente seja assim e que eu esteja reclamando de barriga cheia. Pode ser. O problema é que não estou lidando com clientes, e sim com pessoas que trabalham na mesma empresa que eu. Com a grande diferença que estou EFETIVAMENTE trabalhando, diferente da grande maioria.
Foda-se, …