Pular para o conteúdo principal

Artístico blog

Artístico blog...

Ontem fui com Vanessa, a amada, ao Paço Imperial, primeira residência da família real ao chegar ao Brasil e local onde foi realizado o famoso discurso do dia do Fico, por D. Pedro I.
Fomos lá para ver a exposição Imagem & Som, que está em sua terceira edição, dessa vez homenageando Dorival Caymmi mas, como essa exposição ficava no segundo pavimento, resolvemos ver as 3 exposições situadas no primeiro pavimento antes.
Bem, só posso dizer que me faltaram palavras para definir minha emoção ao ver tais exposições. É verdade, eu não conheço tantos palavrões assim!
A primeira exposição era de uma artista plástica performática que definitivamente tinha problemas sexuais, religiosos e algum trauma de infância. Tinhm uns escapulários no chão formando desenhos de orgãos sexuais masculinos, caminhas com bonecos imitanto o Kama Sutra e um monte de vibradores decorados. Inclusive havia um telão onde era mostrada uma performce da artista, onde ela subia uma escada de madeira, colocava sabão em pó dentro de um balde cheio de água, pegava um macarrão em forma de canudo e começava a soprar bolhas de sabão! E foi aplaudidíssima por isso!!!!!
Eu garanto que todo mundo que aplaudiu só o fez pra não parecer burro, mas na verdade ninguém entendeu o que ela quis mostrar. Se é que havia algo a ser mostrado.
Logo depois entramos na exposição seguinte, que nada mais era do que metros de lona pendurada. Se isso é arte, o camelódromo da Uruguaiana é quase que um museu a céu aberto. Resolvemos pular a terceira, que era baseada em caixas de papelão.
Pois bem, chegamos à exposição sobre Dorival Caymmi. Essa exposição realmente eu gostei, pelo menos da maioria dos quadros, baseados em músicas de Caymmi, onde você pode olhar para a obra ao mesmo tempo em que lê a letra da música e a escuta com fones colocados perto da obra mas, como sempre, eu acho que algum dos artistas resolveu dar uma viajada.
No fim de tudo, resolvemos ir ao Bistro do Paço, que fica no térreo. Lugar pequeno, parece bem intimista, mas ficamos mais de 15 minutos para sermos atendidos pela porra do garçom só pelo fato de não estarmos vestidos como gente cool. Sim, cool, aquele pessoal que deixa o cabelo desalinhado de propósito, usa óculos esquisitos e escuta músicas estranhas pra se achar diferente.
Foi legal nosso programa, mas definitivamente eu preciso soltar a minha sensibilidade para poder apreciar essas obras de arte feitas para pessoas modernas e legais. Ou então fumar um baseado antes de entrar no museu.

Comentários

  1. concordo com a parte de fumar um baseado antes de entrar nesses tipos de museus!!
    ><

    bjão samureba i uma boa semana !
    ;**

    ResponderExcluir
  2. vanessa11:54 PM

    Eu adoro ir a essas exposições com vc!!! É divertido demais!!!
    Ri muito com o texto, te amo!

    bjs

    ResponderExcluir
  3. Hahahahahahahahaha
    Vc tá mais afiado do que nunca! Adorei!

    E aí, tá gostando do Blogspot?
    Beijos, Samu.

    ResponderExcluir
  4. fumar baseado ahahahahahaha

    ResponderExcluir
  5. Anônimo4:52 AM

    Sim, provavelmente por isso e

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os 47 ronin, parte 2: A hora da vingança.

Como dito no post anterior,  o daimyo Asano Naganori se viu obrigado a realizar o seppuku por ter ferido um superior no palácio do Shogun.
Tal notícia foi levada para Oishi Kuranosuke Yoshio, conselheiro de Asano, que assumiu o comando e levou a família Asano para longe, antes de cumprir as ordens do Shogunato e entregar o palácio e o feudo para agentes governamentais.
Dos mais de 300 homens de  Asano, 45, junto com o líder Oishi, recusaram-se a permitir que o seu senhor não fosse vingado, embora o Shogunato houvesse proibido a vingança nesse caso. Sim, haviam casos em que a vingança era tolerada.
Eles se uniram, fazendo um juramento secreto para vingar seu mestre matando o vacilão do Kira, mesmo sabendo que seriam punidos severamente por isso.
Só que o Kira tava bem guardado, e sua residência tinha sido fortificada e a segurança reforçada pois todo mundo sabia que os samurai eram meio doidos. Os ronin perceberam que teriam que esperar a poeira baixar antes que pudessem ter uma peque…

"Cheio de Ki" blog

Você tem dificuldade em entender como funciona um moinho de vento? Ou como água vira vapor? Ou porque algo queima quando fica muito quente? Você pode até não saber aquelas fórmulas e cálculos da aula de física, mas sabe mais ou menos como o trem funciona e o que há de comum neles todos, não? Pois é, energia. Então, por que raios mistificar a palavra japonesa “Ki”? Pois é basicamente o que ela significa. Nós ocidentais costumamos ter certa dificuldade pra entender termos japoneses (orientais em geral na verdade) e, a maneira japonesa de se expressar acaba dificultando o nosso entendimento também. No caso do “Ki”, levamos o troço pra um nível esotérico, místico e imaginamos ser uma energia interna que nos faz soltar Hadoukens, ou algo como a Força em “Star Wars”. Nos parece um termo que só é utilizado por algum coroa igual ao Pai Mei, isolado em alguma montanha no lugar mais isolado, mas na verdade é um termo bem comum. Por exemplo: 磁気 (JIKI) , nos remete ao magnetismo. 電気 (Denki),…

Natalino Blog

Então, é Natal. Época de paz, confraternização, respeito, religiosidade, harmonia, solidariedade e muitas outras palavras bonitas. Resumindo, é epóca de hipocrisia.
Não, eu não sou contra o Natal e não, não sou contra as pessoas serem pacíficas, fraternais, respeitosas, religiosas, harmônicas, solidárias e outros adjetivos bonitos. Mas seria interessante se fossem assim o ano todo.
Mas o meu problema com Natal é outro. Meu problema com o Natal se resume simplesmente à atmosfera natalina. Minha dúvida é: Todo maldito lugar tem que ficar tocando música natalina????
Porra, eu juro que não aguento mais musiquinha de harpa, "Jingle bells" em ritmo de gospel music, Simone cantando música natalina, malditos brinquedinhos chineses tocando a mesma música em todos os camelôs... além da decoração. Juro que não aguento ver mais pinheiros, sininhos e guirlandas. Aliás, pra quem é alto esse problema fica ainda pior, pois toda hora damos uma cabeçada em alguma guirlanda. Aliás, uma dúvida que…