Pular para o conteúdo principal

Kaidan, final.

Nove anos se passaram, Carlos se tornou um bem sucedido empresário do ramo da informática.. Ele havia recebido de um amigo em Tokyo a noticia que Sayaka havia se matado na clinica aos 14 anos, tomando uma dose enorme de tranqüilizantes que roubara da enfermaria. Carlos tentou esquecer isso também, e continuou na sua rotina diária, como um cidadão acima de qualquer suspeita. Ele havia se casado, mas em 2 anos o casamento chegou ao fim, pelo fato da esposa querer engravidar e ele ter horror a essa possibilidade. Então ele passou a freqüentar a noite paulistana mais do que nunca, sempre em busca de alguma mulher que pudesse satisfazer seus impulsos naturais, sem compromisso. Todavia, ele não levva o menor jeito com as mulheres, e sempre acabava em algum bordel Até que uma noite, quando foi a uma danceteria nos arredores da Vila Mariana, ele conheceu uma linda nissei, sensual e provocante, e que não parava de olhar para ele...eles conversaram e Carlos a convidou para saírem dali e ela aceitou ir a casa dele. Lá fizeram amor, Carlos não se importava de ser quase 10 anos mais velho do que ela. Ela era sexy e havia aceitado estar ali. Após terem feito amor Carlos disse que iria descer até a cozinha para tomar algo a convidou. A garota parou no topo da escada, Carlos já havia descido dois degraus. – Você não vem? Perguntou, e com espanto reparou em um objeto no chão, perto da escada. Parecia ser um coelho de pelúcia.
- Não vou descer essa escada com você.
Ele parou por um segundo e antes que pudesse perguntar por que ela disse: - Vai que você me empurra como fez com minha irmã. O medo do sobrenatural tomou conta de Carlos e antes que pudesse fazer algo ela o chutou no peito e ele rolou escada abaixo caindo no chão da sala já sem vida.
Na parede da sala a policia encontrou caracteres japoneses escritos com batom vermelho, um dos policiais, descendente de japoneses, traduziu:
AGORA PODEMOS IR EM PAZ.

Comentários

  1. Da hora a história.

    Sobrenatural...

    The End ?

    Vc quem inventou esta história ou retirou de algum lugar ?

    abçs.

    ResponderExcluir
  2. Estranho, porém um pouco previsível.

    Na verdade pensei que ia entrar um mordomo na história... ele é sempre o culpado.

    ResponderExcluir
  3. E a justiça foi feita...

    =]]]

    ResponderExcluir
  4. Por isso dizem que a vingança é um prato que se come cru. ._O

    ResponderExcluir
  5. q maneira a história! ^_^
    um tanto sinistra

    ResponderExcluir
  6. adorei a história Samu's, show de bola.

    ResponderExcluir
  7. E a próxima historinha, cadê??
    xD

    ResponderExcluir
  8. vanessa3:18 PM

    Será que acabou amor????

    bjs

    ResponderExcluir
  9. Eu estava visitando o antigo blog e vi o seu comentário. Infelizmente, o meu blog antigo foi pro espaço. Estou com um novo blog. Espero a sua visita. Nossa, li o post atual e o anterior e estou pasma com a história. Muito trágica! Putz, que final. Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Anônimo11:51 PM

    You have an outstanding good and well structured site. I enjoyed browsing through it
    »

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Coisificado blog

Sabe como é ter realização profissional? Eu não.
Há um certo tempo venho notando que deixei de ser uma pessoa, o Alexandre Santana, e virei o "rapaz do ponto". Sim, eu cuido da frequência no porto do Rio, em especial da Guarda Portuária. É um trabalho. É digno. É honesto. Mas deixei de ser uma pessoa e me tornei um relógio de ponto. Fui coisificado.
Sim. Na maioria dos dias eu mal chego (07:00) e não ouço bom dia e sim um "Ei, o relógio está com defeito!" ou um "Oi, estou com um probleminha aqui no ponto..." e o pior de todos "Olha, vocês me deram falta aqui (sim, eu fui na frequência de um fdp aleatório e taquei falta, claro...)". 
Eu imagino que na maioria dos empregos realmente seja assim e que eu esteja reclamando de barriga cheia. Pode ser. O problema é que não estou lidando com clientes, e sim com pessoas que trabalham na mesma empresa que eu. Com a grande diferença que estou EFETIVAMENTE trabalhando, diferente da grande maioria.
Foda-se, …

Limítrofe Blog.

Você acorda cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe e você quer um pouco de silêncio em sua vida pois no seu trabalho o telefone toca o tempo todo e em casa você tem vizinhos ouvindo música alta o tempo todo e na frente de casa tem uma porra de um lanterneiro.

E todo o dia a mesma coisa. E todo dia é o Dia da Marmota.

Você já nem aguenta mais ouvir seu n…

Suicida blog

Quero morrer.

Não literalmente. Essa eu aguardo sem muita pressa, mas já sabendo que é inevitável.

É mais uma espécie de "morte figurada", por assim dizer. Aos poucos eu venho matando o Alexandre que foi construído ao longo dos anos e que meio que estacionou. Esse Alexandre já não tem mais muito espaço, esse Alexandre só faz merda e só se afunda.

Esse Alexandre trocou sonhos por segurança. Não que segurança seja ruim, pelo contrário, mas esse Alexandre se acomodou. Muito. Esse Alexandre virou uma pífia sombra daquele Alexandre cheio de sonhos, esperanças e "sangue nos olhos". Sei que aquele Alexandre não volta, ou pode voltar cheio de cicatrizes, mas ESSE Alexandre de hoje em dia precisa morrer.