Pular para o conteúdo principal

Kaidan, final.

Nove anos se passaram, Carlos se tornou um bem sucedido empresário do ramo da informática.. Ele havia recebido de um amigo em Tokyo a noticia que Sayaka havia se matado na clinica aos 14 anos, tomando uma dose enorme de tranqüilizantes que roubara da enfermaria. Carlos tentou esquecer isso também, e continuou na sua rotina diária, como um cidadão acima de qualquer suspeita. Ele havia se casado, mas em 2 anos o casamento chegou ao fim, pelo fato da esposa querer engravidar e ele ter horror a essa possibilidade. Então ele passou a freqüentar a noite paulistana mais do que nunca, sempre em busca de alguma mulher que pudesse satisfazer seus impulsos naturais, sem compromisso. Todavia, ele não levva o menor jeito com as mulheres, e sempre acabava em algum bordel Até que uma noite, quando foi a uma danceteria nos arredores da Vila Mariana, ele conheceu uma linda nissei, sensual e provocante, e que não parava de olhar para ele...eles conversaram e Carlos a convidou para saírem dali e ela aceitou ir a casa dele. Lá fizeram amor, Carlos não se importava de ser quase 10 anos mais velho do que ela. Ela era sexy e havia aceitado estar ali. Após terem feito amor Carlos disse que iria descer até a cozinha para tomar algo a convidou. A garota parou no topo da escada, Carlos já havia descido dois degraus. – Você não vem? Perguntou, e com espanto reparou em um objeto no chão, perto da escada. Parecia ser um coelho de pelúcia.
- Não vou descer essa escada com você.
Ele parou por um segundo e antes que pudesse perguntar por que ela disse: - Vai que você me empurra como fez com minha irmã. O medo do sobrenatural tomou conta de Carlos e antes que pudesse fazer algo ela o chutou no peito e ele rolou escada abaixo caindo no chão da sala já sem vida.
Na parede da sala a policia encontrou caracteres japoneses escritos com batom vermelho, um dos policiais, descendente de japoneses, traduziu:
AGORA PODEMOS IR EM PAZ.

Comentários

  1. Da hora a história.

    Sobrenatural...

    The End ?

    Vc quem inventou esta história ou retirou de algum lugar ?

    abçs.

    ResponderExcluir
  2. Estranho, porém um pouco previsível.

    Na verdade pensei que ia entrar um mordomo na história... ele é sempre o culpado.

    ResponderExcluir
  3. E a justiça foi feita...

    =]]]

    ResponderExcluir
  4. Por isso dizem que a vingança é um prato que se come cru. ._O

    ResponderExcluir
  5. q maneira a história! ^_^
    um tanto sinistra

    ResponderExcluir
  6. adorei a história Samu's, show de bola.

    ResponderExcluir
  7. E a próxima historinha, cadê??
    xD

    ResponderExcluir
  8. vanessa3:18 PM

    Será que acabou amor????

    bjs

    ResponderExcluir
  9. Eu estava visitando o antigo blog e vi o seu comentário. Infelizmente, o meu blog antigo foi pro espaço. Estou com um novo blog. Espero a sua visita. Nossa, li o post atual e o anterior e estou pasma com a história. Muito trágica! Putz, que final. Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Anônimo11:51 PM

    You have an outstanding good and well structured site. I enjoyed browsing through it
    »

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os 47 ronin, parte 2: A hora da vingança.

Como dito no post anterior,  o daimyo Asano Naganori se viu obrigado a realizar o seppuku por ter ferido um superior no palácio do Shogun.
Tal notícia foi levada para Oishi Kuranosuke Yoshio, conselheiro de Asano, que assumiu o comando e levou a família Asano para longe, antes de cumprir as ordens do Shogunato e entregar o palácio e o feudo para agentes governamentais.
Dos mais de 300 homens de  Asano, 45, junto com o líder Oishi, recusaram-se a permitir que o seu senhor não fosse vingado, embora o Shogunato houvesse proibido a vingança nesse caso. Sim, haviam casos em que a vingança era tolerada.
Eles se uniram, fazendo um juramento secreto para vingar seu mestre matando o vacilão do Kira, mesmo sabendo que seriam punidos severamente por isso.
Só que o Kira tava bem guardado, e sua residência tinha sido fortificada e a segurança reforçada pois todo mundo sabia que os samurai eram meio doidos. Os ronin perceberam que teriam que esperar a poeira baixar antes que pudessem ter uma peque…

"Cheio de Ki" blog

Você tem dificuldade em entender como funciona um moinho de vento? Ou como água vira vapor? Ou porque algo queima quando fica muito quente? Você pode até não saber aquelas fórmulas e cálculos da aula de física, mas sabe mais ou menos como o trem funciona e o que há de comum neles todos, não? Pois é, energia. Então, por que raios mistificar a palavra japonesa “Ki”? Pois é basicamente o que ela significa. Nós ocidentais costumamos ter certa dificuldade pra entender termos japoneses (orientais em geral na verdade) e, a maneira japonesa de se expressar acaba dificultando o nosso entendimento também. No caso do “Ki”, levamos o troço pra um nível esotérico, místico e imaginamos ser uma energia interna que nos faz soltar Hadoukens, ou algo como a Força em “Star Wars”. Nos parece um termo que só é utilizado por algum coroa igual ao Pai Mei, isolado em alguma montanha no lugar mais isolado, mas na verdade é um termo bem comum. Por exemplo: 磁気 (JIKI) , nos remete ao magnetismo. 電気 (Denki),…

Natalino Blog

Então, é Natal. Época de paz, confraternização, respeito, religiosidade, harmonia, solidariedade e muitas outras palavras bonitas. Resumindo, é epóca de hipocrisia.
Não, eu não sou contra o Natal e não, não sou contra as pessoas serem pacíficas, fraternais, respeitosas, religiosas, harmônicas, solidárias e outros adjetivos bonitos. Mas seria interessante se fossem assim o ano todo.
Mas o meu problema com Natal é outro. Meu problema com o Natal se resume simplesmente à atmosfera natalina. Minha dúvida é: Todo maldito lugar tem que ficar tocando música natalina????
Porra, eu juro que não aguento mais musiquinha de harpa, "Jingle bells" em ritmo de gospel music, Simone cantando música natalina, malditos brinquedinhos chineses tocando a mesma música em todos os camelôs... além da decoração. Juro que não aguento ver mais pinheiros, sininhos e guirlandas. Aliás, pra quem é alto esse problema fica ainda pior, pois toda hora damos uma cabeçada em alguma guirlanda. Aliás, uma dúvida que…