Pular para o conteúdo principal

Kaidan, final.

Nove anos se passaram, Carlos se tornou um bem sucedido empresário do ramo da informática.. Ele havia recebido de um amigo em Tokyo a noticia que Sayaka havia se matado na clinica aos 14 anos, tomando uma dose enorme de tranqüilizantes que roubara da enfermaria. Carlos tentou esquecer isso também, e continuou na sua rotina diária, como um cidadão acima de qualquer suspeita. Ele havia se casado, mas em 2 anos o casamento chegou ao fim, pelo fato da esposa querer engravidar e ele ter horror a essa possibilidade. Então ele passou a freqüentar a noite paulistana mais do que nunca, sempre em busca de alguma mulher que pudesse satisfazer seus impulsos naturais, sem compromisso. Todavia, ele não levva o menor jeito com as mulheres, e sempre acabava em algum bordel Até que uma noite, quando foi a uma danceteria nos arredores da Vila Mariana, ele conheceu uma linda nissei, sensual e provocante, e que não parava de olhar para ele...eles conversaram e Carlos a convidou para saírem dali e ela aceitou ir a casa dele. Lá fizeram amor, Carlos não se importava de ser quase 10 anos mais velho do que ela. Ela era sexy e havia aceitado estar ali. Após terem feito amor Carlos disse que iria descer até a cozinha para tomar algo a convidou. A garota parou no topo da escada, Carlos já havia descido dois degraus. – Você não vem? Perguntou, e com espanto reparou em um objeto no chão, perto da escada. Parecia ser um coelho de pelúcia.
- Não vou descer essa escada com você.
Ele parou por um segundo e antes que pudesse perguntar por que ela disse: - Vai que você me empurra como fez com minha irmã. O medo do sobrenatural tomou conta de Carlos e antes que pudesse fazer algo ela o chutou no peito e ele rolou escada abaixo caindo no chão da sala já sem vida.
Na parede da sala a policia encontrou caracteres japoneses escritos com batom vermelho, um dos policiais, descendente de japoneses, traduziu:
AGORA PODEMOS IR EM PAZ.

Comentários

  1. Da hora a história.

    Sobrenatural...

    The End ?

    Vc quem inventou esta história ou retirou de algum lugar ?

    abçs.

    ResponderExcluir
  2. Estranho, porém um pouco previsível.

    Na verdade pensei que ia entrar um mordomo na história... ele é sempre o culpado.

    ResponderExcluir
  3. E a justiça foi feita...

    =]]]

    ResponderExcluir
  4. Por isso dizem que a vingança é um prato que se come cru. ._O

    ResponderExcluir
  5. q maneira a história! ^_^
    um tanto sinistra

    ResponderExcluir
  6. adorei a história Samu's, show de bola.

    ResponderExcluir
  7. E a próxima historinha, cadê??
    xD

    ResponderExcluir
  8. vanessa3:18 PM

    Será que acabou amor????

    bjs

    ResponderExcluir
  9. Eu estava visitando o antigo blog e vi o seu comentário. Infelizmente, o meu blog antigo foi pro espaço. Estou com um novo blog. Espero a sua visita. Nossa, li o post atual e o anterior e estou pasma com a história. Muito trágica! Putz, que final. Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Anônimo11:51 PM

    You have an outstanding good and well structured site. I enjoyed browsing through it
    »

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Limítrofe Blog.

Você acorda cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe e você quer um pouco de silêncio em sua vida pois no seu trabalho o telefone toca o tempo todo e em casa você tem vizinhos ouvindo música alta o tempo todo e na frente de casa tem uma porra de um lanterneiro.

E todo o dia a mesma coisa. E todo dia é o Dia da Marmota.

Você já nem aguenta mais ouvir seu n…

Dupliplusbom Blog

De uns tempos pra cá, por algum motivo que desconheço, uma galerinha "dubem" passou a querer controlar o que você diz, faz ou pensa. Tudo isso em nome da bondade, respeito e pluralidade. Oprimem contra a opressão. Censuram pela liberdade. Fazem malabarismos lógicos para taxar como ditaduras aquilo que não gostam e chamar de democracia ditaduras descaradas que compartilham de sua ideologia.

 Quem já leu o romance “1984” de George Orwell vai entender de cara essa questão. Essa galerinha "dubem" utiliza de duas ferramentas linguísticas que Orwell descreveu muito bem em sua distopia: duplipensamento e novilíngua. Basicamente, essas ferramentas visam moldar o pensamento a partir da mentalidade revolucionária e limitar a capacidade de comunicação e expressão dos indivíduos, transformando-os em meros robôs. 
O duplipensamento é o ato de aceitar simultaneamente duas crenças mutualmente contraditórias como corretas. Parece com hipocrisia, mas na verdade a pessoa REALMENTE acr…

Rockinriozístico Blog, parte 1

Ontem fui novamente ao Rock in Rio. Falem o que quiser, mas eu gosto desse programa de índio. E dessa vez o transporte foi até bem facilitado (NADA que se compare ao de 2001, com seus ônibus saindo de inúmeras partes da cidade, incluindo Vigário Geral), não sendo um grande inferno como o de 2013.

Basicamente descemos quase em frente à entrada, num terminal do BRT. Apesar da grande quantidade de pessoas, o fluxo seguia normal. 

A entrada em si demorou, pois havia uma fila pra já garantir a passagem do BRT na volta, a fila da revista e a da bilheteria, mas não foi nenhum absurdo. Demorava mais desviar das inúmeras selfies sendo tiradas. 

Havia, por alguma razão, uma área dedicada aos games e afins, com alguns cosplayers. E nunca escondi meu desprezo por esse tipo. 

Havia muita gente com camiseta do Rock in Rio. No Rock in Rio. Fiquei imaginando que seria um tipo de abadá pra uma micareta. 

Havia uma galera com roupa tipo de motoqueiro americano. Ou aquela galera parecendo punk. Ou metaleiro…