Pular para o conteúdo principal

Barnabé Blog

Bem, vim aqui explicar um dos motivos de ter dado uma parada nas maravilhosas postagens que fazia: Virei funcionário público.
Ok, vão alguns pensar, tempo agora é o que não falta. É, até concordo. Mas vocês não fazem idéia em como é desesperador se sentir inútil...
Sabe quando você vai cheio de disposição e recebe um banho de água fria? Pois é. Foi exatamente isso que aconteceu. Você tenta trabalhar e: Não tem material. Colegas não ensinam o serviço. Ensinam o serviço, mas não há o que fazer. Há o que fazer, mas o sistema está fora do ar. Sistema está funcionando, você faz o serviço, e no dia seguinte descobre que deu problema no banco de dados e tudo se perdeu.
Mas pelo menos agora estou começando a me situar e a tirar proveito da situação, afinal eu estudei pra estar ali, e não foi pouco. Se não há o que fazer, eu arrumo, nem que seja estudando pra outro concurso, estudando qualquer outra coisa, ou mesmo escrevendo meus posts, já que adoro fazer isso.

Mas juro, não quero me tornar mais um "Barnabé" ou me conformar com essa situação.

Comentários

  1. a pior coisa do mundo é se sentir inútil e eu sei disso muito bem :]
    mas continue firme e forte, já dizia aristóteles: felicidade é ter o que fazer, na pior das hipóteses, leve um livro bem interessante no "TRAMPO" e leia.
    haha, é isso.
    sou apenas uma garotinha, não sei o que te falar, nunca trabalhei, nem bati cartão!
    beijos.
    Taynara

    ResponderExcluir
  2. Brigada pelo comentário lá no Blog!

    Bem. Poderia dizer que "é o Brasil", mas isso seria muito ignorante da minha parte. Infelizmente não dão o valor que o nosso país merece e isso influe em tudo. No trabalho público, na aridez do sertão, no trânsito da Paulista, no absurdo do valor do mercado.
    Cabe à nova geração mudar(deverdadepeloamor) tudo isso. Cabe à nova geração ser MESMO uma NOVA geração.

    ResponderExcluir
  3. Amigo seja Bem Vindo á esse mundo.... eu também sou funcionária pública, e com muito orgulho. AMO MEU TRABALHO ^^

    ResponderExcluir
  4. valeu pelo seu comentario
    eu tenho um parente q eh funcionario publico
    rsrsrs

    ResponderExcluir
  5. Também sou funcionário público, e escrevi vários posts do meu antigo blog no meu trabalho. Aliás, gostei da seu texto na parte do balde água fria, realmente eu passei por isso, cara.


    A LOST CAUSE.

    ResponderExcluir
  6. Eu tirei minha certeira d etrabalho essa semana, vou começar a pensar em lugares pra deixar currículum....e q me dê um salário legal.
    Mas tô com medo disso, de ficar perdida sozinha no meio de um monte de coisa pra fazer.

    ResponderExcluir
  7. Meu amigo funcionário público. Também sou um e, cacete, como tem trabalho...
    Saio sempre como se tivesse tomado uma surra!
    Melhor, né? O tempo passa mais rápido.
    Ah, e onde eu trabalho são raras as vezes que o sistema dá problema.
    Ainda bem!

    ResponderExcluir
  8. Thiara Carvalho8:04 PM

    Deus do céu... é impressionante o quanto esse "torpor" de inutilidade toma conta das pessoas que assumem um cargo público. Seja aí no Rio, ou aqui em Brasília, ou melhor: do Oiapoque ao Chuí a situação é sempre a mesma! Tenho diversos amigos que antes sonhavam com um emprego público e agora, ao se depararem com esse sistema burocrático, sonham em fugir de tal situação... O desafio, caro Alexandre, é não se deixar levar por essa onda "narcotizante" que acaba tornando os funcionários públicos "adestrados" e "incapazes" por acabarem se entregando ao sistema que os cerca.

    ResponderExcluir
  9. é foda msm,vc querendo fazer um trabalho legal,e as pessoas te desencorajam com a negatividade e tal.

    ResponderExcluir
  10. O sistema é o inimigo. hehe

    muito bom o post

    :*

    ResponderExcluir
  11. Eu quero ser funcionário público exatamente para não fazer nada. (:
    hahaha

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Limítrofe Blog.

Você acorda cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe e você quer um pouco de silêncio em sua vida pois no seu trabalho o telefone toca o tempo todo e em casa você tem vizinhos ouvindo música alta o tempo todo e na frente de casa tem uma porra de um lanterneiro.

E todo o dia a mesma coisa. E todo dia é o Dia da Marmota.

Você já nem aguenta mais ouvir seu n…

Dupliplusbom Blog

De uns tempos pra cá, por algum motivo que desconheço, uma galerinha "dubem" passou a querer controlar o que você diz, faz ou pensa. Tudo isso em nome da bondade, respeito e pluralidade. Oprimem contra a opressão. Censuram pela liberdade. Fazem malabarismos lógicos para taxar como ditaduras aquilo que não gostam e chamar de democracia ditaduras descaradas que compartilham de sua ideologia.

 Quem já leu o romance “1984” de George Orwell vai entender de cara essa questão. Essa galerinha "dubem" utiliza de duas ferramentas linguísticas que Orwell descreveu muito bem em sua distopia: duplipensamento e novilíngua. Basicamente, essas ferramentas visam moldar o pensamento a partir da mentalidade revolucionária e limitar a capacidade de comunicação e expressão dos indivíduos, transformando-os em meros robôs. 
O duplipensamento é o ato de aceitar simultaneamente duas crenças mutualmente contraditórias como corretas. Parece com hipocrisia, mas na verdade a pessoa REALMENTE acr…

Rockinriozístico Blog, parte 1

Ontem fui novamente ao Rock in Rio. Falem o que quiser, mas eu gosto desse programa de índio. E dessa vez o transporte foi até bem facilitado (NADA que se compare ao de 2001, com seus ônibus saindo de inúmeras partes da cidade, incluindo Vigário Geral), não sendo um grande inferno como o de 2013.

Basicamente descemos quase em frente à entrada, num terminal do BRT. Apesar da grande quantidade de pessoas, o fluxo seguia normal. 

A entrada em si demorou, pois havia uma fila pra já garantir a passagem do BRT na volta, a fila da revista e a da bilheteria, mas não foi nenhum absurdo. Demorava mais desviar das inúmeras selfies sendo tiradas. 

Havia, por alguma razão, uma área dedicada aos games e afins, com alguns cosplayers. E nunca escondi meu desprezo por esse tipo. 

Havia muita gente com camiseta do Rock in Rio. No Rock in Rio. Fiquei imaginando que seria um tipo de abadá pra uma micareta. 

Havia uma galera com roupa tipo de motoqueiro americano. Ou aquela galera parecendo punk. Ou metaleiro…