Pular para o conteúdo principal

Barnabé Blog

Bem, vim aqui explicar um dos motivos de ter dado uma parada nas maravilhosas postagens que fazia: Virei funcionário público.
Ok, vão alguns pensar, tempo agora é o que não falta. É, até concordo. Mas vocês não fazem idéia em como é desesperador se sentir inútil...
Sabe quando você vai cheio de disposição e recebe um banho de água fria? Pois é. Foi exatamente isso que aconteceu. Você tenta trabalhar e: Não tem material. Colegas não ensinam o serviço. Ensinam o serviço, mas não há o que fazer. Há o que fazer, mas o sistema está fora do ar. Sistema está funcionando, você faz o serviço, e no dia seguinte descobre que deu problema no banco de dados e tudo se perdeu.
Mas pelo menos agora estou começando a me situar e a tirar proveito da situação, afinal eu estudei pra estar ali, e não foi pouco. Se não há o que fazer, eu arrumo, nem que seja estudando pra outro concurso, estudando qualquer outra coisa, ou mesmo escrevendo meus posts, já que adoro fazer isso.

Mas juro, não quero me tornar mais um "Barnabé" ou me conformar com essa situação.

Comentários

  1. a pior coisa do mundo é se sentir inútil e eu sei disso muito bem :]
    mas continue firme e forte, já dizia aristóteles: felicidade é ter o que fazer, na pior das hipóteses, leve um livro bem interessante no "TRAMPO" e leia.
    haha, é isso.
    sou apenas uma garotinha, não sei o que te falar, nunca trabalhei, nem bati cartão!
    beijos.
    Taynara

    ResponderExcluir
  2. Brigada pelo comentário lá no Blog!

    Bem. Poderia dizer que "é o Brasil", mas isso seria muito ignorante da minha parte. Infelizmente não dão o valor que o nosso país merece e isso influe em tudo. No trabalho público, na aridez do sertão, no trânsito da Paulista, no absurdo do valor do mercado.
    Cabe à nova geração mudar(deverdadepeloamor) tudo isso. Cabe à nova geração ser MESMO uma NOVA geração.

    ResponderExcluir
  3. Amigo seja Bem Vindo á esse mundo.... eu também sou funcionária pública, e com muito orgulho. AMO MEU TRABALHO ^^

    ResponderExcluir
  4. valeu pelo seu comentario
    eu tenho um parente q eh funcionario publico
    rsrsrs

    ResponderExcluir
  5. Também sou funcionário público, e escrevi vários posts do meu antigo blog no meu trabalho. Aliás, gostei da seu texto na parte do balde água fria, realmente eu passei por isso, cara.


    A LOST CAUSE.

    ResponderExcluir
  6. Eu tirei minha certeira d etrabalho essa semana, vou começar a pensar em lugares pra deixar currículum....e q me dê um salário legal.
    Mas tô com medo disso, de ficar perdida sozinha no meio de um monte de coisa pra fazer.

    ResponderExcluir
  7. Meu amigo funcionário público. Também sou um e, cacete, como tem trabalho...
    Saio sempre como se tivesse tomado uma surra!
    Melhor, né? O tempo passa mais rápido.
    Ah, e onde eu trabalho são raras as vezes que o sistema dá problema.
    Ainda bem!

    ResponderExcluir
  8. Thiara Carvalho8:04 PM

    Deus do céu... é impressionante o quanto esse "torpor" de inutilidade toma conta das pessoas que assumem um cargo público. Seja aí no Rio, ou aqui em Brasília, ou melhor: do Oiapoque ao Chuí a situação é sempre a mesma! Tenho diversos amigos que antes sonhavam com um emprego público e agora, ao se depararem com esse sistema burocrático, sonham em fugir de tal situação... O desafio, caro Alexandre, é não se deixar levar por essa onda "narcotizante" que acaba tornando os funcionários públicos "adestrados" e "incapazes" por acabarem se entregando ao sistema que os cerca.

    ResponderExcluir
  9. é foda msm,vc querendo fazer um trabalho legal,e as pessoas te desencorajam com a negatividade e tal.

    ResponderExcluir
  10. O sistema é o inimigo. hehe

    muito bom o post

    :*

    ResponderExcluir
  11. Eu quero ser funcionário público exatamente para não fazer nada. (:
    hahaha

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os 47 ronin, parte 2: A hora da vingança.

Como dito no post anterior,  o daimyo Asano Naganori se viu obrigado a realizar o seppuku por ter ferido um superior no palácio do Shogun.
Tal notícia foi levada para Oishi Kuranosuke Yoshio, conselheiro de Asano, que assumiu o comando e levou a família Asano para longe, antes de cumprir as ordens do Shogunato e entregar o palácio e o feudo para agentes governamentais.
Dos mais de 300 homens de  Asano, 45, junto com o líder Oishi, recusaram-se a permitir que o seu senhor não fosse vingado, embora o Shogunato houvesse proibido a vingança nesse caso. Sim, haviam casos em que a vingança era tolerada.
Eles se uniram, fazendo um juramento secreto para vingar seu mestre matando o vacilão do Kira, mesmo sabendo que seriam punidos severamente por isso.
Só que o Kira tava bem guardado, e sua residência tinha sido fortificada e a segurança reforçada pois todo mundo sabia que os samurai eram meio doidos. Os ronin perceberam que teriam que esperar a poeira baixar antes que pudessem ter uma peque…

"Cheio de Ki" blog

Você tem dificuldade em entender como funciona um moinho de vento? Ou como água vira vapor? Ou porque algo queima quando fica muito quente? Você pode até não saber aquelas fórmulas e cálculos da aula de física, mas sabe mais ou menos como o trem funciona e o que há de comum neles todos, não? Pois é, energia. Então, por que raios mistificar a palavra japonesa “Ki”? Pois é basicamente o que ela significa. Nós ocidentais costumamos ter certa dificuldade pra entender termos japoneses (orientais em geral na verdade) e, a maneira japonesa de se expressar acaba dificultando o nosso entendimento também. No caso do “Ki”, levamos o troço pra um nível esotérico, místico e imaginamos ser uma energia interna que nos faz soltar Hadoukens, ou algo como a Força em “Star Wars”. Nos parece um termo que só é utilizado por algum coroa igual ao Pai Mei, isolado em alguma montanha no lugar mais isolado, mas na verdade é um termo bem comum. Por exemplo: 磁気 (JIKI) , nos remete ao magnetismo. 電気 (Denki),…

Natalino Blog

Então, é Natal. Época de paz, confraternização, respeito, religiosidade, harmonia, solidariedade e muitas outras palavras bonitas. Resumindo, é epóca de hipocrisia.
Não, eu não sou contra o Natal e não, não sou contra as pessoas serem pacíficas, fraternais, respeitosas, religiosas, harmônicas, solidárias e outros adjetivos bonitos. Mas seria interessante se fossem assim o ano todo.
Mas o meu problema com Natal é outro. Meu problema com o Natal se resume simplesmente à atmosfera natalina. Minha dúvida é: Todo maldito lugar tem que ficar tocando música natalina????
Porra, eu juro que não aguento mais musiquinha de harpa, "Jingle bells" em ritmo de gospel music, Simone cantando música natalina, malditos brinquedinhos chineses tocando a mesma música em todos os camelôs... além da decoração. Juro que não aguento ver mais pinheiros, sininhos e guirlandas. Aliás, pra quem é alto esse problema fica ainda pior, pois toda hora damos uma cabeçada em alguma guirlanda. Aliás, uma dúvida que…