Pular para o conteúdo principal

Natalino Blog

Então, é Natal. Época de paz, confraternização, respeito, religiosidade, harmonia, solidariedade e muitas outras palavras bonitas. Resumindo, é epóca de hipocrisia.
Não, eu não sou contra o Natal e não, não sou contra as pessoas serem pacíficas, fraternais, respeitosas, religiosas, harmônicas, solidárias e outros adjetivos bonitos. Mas seria interessante se fossem assim o ano todo.
Mas o meu problema com Natal é outro. Meu problema com o Natal se resume simplesmente à atmosfera natalina. Minha dúvida é: Todo maldito lugar tem que ficar tocando música natalina????
Porra, eu juro que não aguento mais musiquinha de harpa, "Jingle bells" em ritmo de gospel music, Simone cantando música natalina, malditos brinquedinhos chineses tocando a mesma música em todos os camelôs... além da decoração. Juro que não aguento ver mais pinheiros, sininhos e guirlandas. Aliás, pra quem é alto esse problema fica ainda pior, pois toda hora damos uma cabeçada em alguma guirlanda. Aliás, uma dúvida queme persegue desde a infância: Qual a razão de fazermos decoração com pinheiros cheios de neve? Pnheiro não é uma árvore muito comum aqui, neve muito menos. O que dizer então do papai Noel com aquela roupa pesada.
Aliás, falando no papai Noel, imagino a confusão que não dá na cabeça das crianças ver o bom velhinho em tantos lugares ao mesmo tempo. Ontem, ao andar pelas imediações da praça Saens Peña me deparei com o bom velhinho na entrada de uma farmácia, bem debaixo do ar-condicionado, sentado numa cadeira e tirando fotos com crianças. Logo depois, ao entrar numa galeria, lá estava outro bom vehinho, sentado com um ventilador ao seu lado, também tirando fotos com crianças. E a galeria é do lado da farmácia. Ele estava lá fora e agora está aqui??? Como assim, mamãe???

Assim surgem os esquizofrênicos.

ps: Boas festas para todos!!! :p

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Coisificado blog

Sabe como é ter realização profissional? Eu não.
Há um certo tempo venho notando que deixei de ser uma pessoa, o Alexandre Santana, e virei o "rapaz do ponto". Sim, eu cuido da frequência no porto do Rio, em especial da Guarda Portuária. É um trabalho. É digno. É honesto. Mas deixei de ser uma pessoa e me tornei um relógio de ponto. Fui coisificado.
Sim. Na maioria dos dias eu mal chego (07:00) e não ouço bom dia e sim um "Ei, o relógio está com defeito!" ou um "Oi, estou com um probleminha aqui no ponto..." e o pior de todos "Olha, vocês me deram falta aqui (sim, eu fui na frequência de um fdp aleatório e taquei falta, claro...)". 
Eu imagino que na maioria dos empregos realmente seja assim e que eu esteja reclamando de barriga cheia. Pode ser. O problema é que não estou lidando com clientes, e sim com pessoas que trabalham na mesma empresa que eu. Com a grande diferença que estou EFETIVAMENTE trabalhando, diferente da grande maioria.
Foda-se, …

Limítrofe Blog.

Você acorda cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe e você quer um pouco de silêncio em sua vida pois no seu trabalho o telefone toca o tempo todo e em casa você tem vizinhos ouvindo música alta o tempo todo e na frente de casa tem uma porra de um lanterneiro.

E todo o dia a mesma coisa. E todo dia é o Dia da Marmota.

Você já nem aguenta mais ouvir seu n…

Suicida blog

Quero morrer.

Não literalmente. Essa eu aguardo sem muita pressa, mas já sabendo que é inevitável.

É mais uma espécie de "morte figurada", por assim dizer. Aos poucos eu venho matando o Alexandre que foi construído ao longo dos anos e que meio que estacionou. Esse Alexandre já não tem mais muito espaço, esse Alexandre só faz merda e só se afunda.

Esse Alexandre trocou sonhos por segurança. Não que segurança seja ruim, pelo contrário, mas esse Alexandre se acomodou. Muito. Esse Alexandre virou uma pífia sombra daquele Alexandre cheio de sonhos, esperanças e "sangue nos olhos". Sei que aquele Alexandre não volta, ou pode voltar cheio de cicatrizes, mas ESSE Alexandre de hoje em dia precisa morrer.