Pular para o conteúdo principal

Religioso Blog

  Está tomando força aqui no Rio um movimento contra a intolerância religiosa, visto que casos de ignorantes que depredam imagens sacras tanto de igrejas católicas quanto de centros espíritas está aumentando de forma preocupante. Em sua grande maioria são evangélicos que não entendem nada da própria religião que costumam chutar imagens de santos na tv, que dizem que Orixás são manifestações do demônio, que são mais judeus que os judeus (sabe-se lá pq um povo agora cisma de querer falar termos em hebraico) e por aí vai. Não que católicos, espíritas e afins não façam isso, mas pelo menos não veiculam programas em rede nacional fazendo essas burradas. Voltando ao assunto, criou-se um Disque (odeio essa palavra, um dia explico pq) Denúncia contra a intolerância religiosa, e vereadores cariocas estudam medidas para diminuir essa estupidez.
Tudo isso é louvável, mas vieram cá em minha mente ociosa algumas situações que podem ser um tiro no pé desse movimento

1ª situação: Ateus.

A pessoa tem todo direito do mundo em não acreditar que exista um grande jogador de The Sims controlando tudo que acontece no universo ou que cada peido que damos estava em nosso destino.
Mas seguidores de qualquer religião costumam ser bem rudes com quem duvida da existência de Papai do Céu.

Não seria isso um caso de intolerância religiosa?


2ª situação: Satanistas

Assim como alguns adoram Deus, outros adoram Satã, mas não podem se expressar publicamente pois são hostilizados e se você ousar mencionar o ensino do Satanismo em escolas é capaz de ser linchado.

Intolerância religiosa, não?


3ª situação: Pagãos

Há quem prefira seguir deuses nórdicos ou gregos e se denominam pagãos por algum motivo que desconheço, mas eles também tem seus direitos. Melhor pararmos de utilizar a palavra “Mitologia”, ou então chamar qualquer religião de “Mitologia”.

Direitos iguais, não?


Conclusão: É bom ficarmos atentos a partir de hoje e tentarmos ser menos esquentados com religiões alheias! As vezes aquele “Vá para o Diabo que te carregue!” pode ter a mesma intenção de um “Vá com Deus”.




Comentários

  1. Apesar de eu acreditar que há um jogador do The Sims lá em cima, não sigo religião nenhuma. Tenho a minha própria concepção de certo ou errado e me acho no direito de não ser acordada às 08h da manhã num fim de semana, por pessoas tentando me enfiar goela abaixo que a verdade deles é a suprema. Por tanto, Super apoiado!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Ilusório blog

A Síndrome de "Botinho".

 Existe no litoral carioca, desde os anos 60, um projeto do Corpo de Bombeiros chamado "Projeto Botinho". O projeto visa estimular a prevenção de acidentes marítimos por meio de brincadeiras.
Semana passada um estagiário ( o elo entre humanos e cafeteiras) me contou que ele já fez parte de tal projeto, e como isso gerou nele uma falsa sensação de segurança. Ele narrou que fez parte do projeto por 3 meses, aos 11 anos de idade, e aos 15 foi brincar numa piscina de ondas na Baixada.Foi alertado para não ir para a parte funda pois era muito forte, mas estufou o peito e disse "Coé, eu fui botinho!".

Quase se afogou.

Isso me fez lembrar do Efeito Dunning-Kruger, onde a pessoa possui um conhecimento pequeno, mas acredita saber mais que especialistas.

Eu passei por isso uma vez. Treinava Aikido havia um tempo, e fui fazer umas aulas de Luta Livre. Na hora do sparring, o professor perguntou "Sabe alguma coisa sobre aplicar e defender…

Memento mori.

Ontem, após o almoço, fui ao banco pagar umas contas. Ao virar a esquina, umas faixas amarelas limitavam a passagem e um reflexo prateado não deixavam dúvida: um cadáver coberto por um cobertor térmico, em frente ao banco.
Ao entrar no banco, perguntei à recepcionista se havia sido assalto. Não foi. A pessoa simplesmente caiu morta. Puxaram o cabo do outro lado da Matrix.
Eu cresci acostumado a ver cadáveres na Vigário Geral dos anos 80 e 90. E sempre muito sangue e vísceras. Mas essa morte em si me bateu mais fundo. Não foi um ato de violência, já banalizada. A vida simplesmente cessou numa quinta-feira chuvosa numa esquina movimentada do centro do Rio.

Por uma estranha coincidência, o sistema do banco caiu também naquele momento. Então voltei ao trabalho.

Mais tarde, voltei ao banco. O sentimento sobre a morte do desconhecido bateu mais pesado ainda. Antes haviam dois agentes do Centro Presente e mais uma ambulância do SAMU. Algumas horas depois ainda estavam lá as fitas amarelas …

Coisificado blog

Sabe como é ter realização profissional? Eu não.
Há um certo tempo venho notando que deixei de ser uma pessoa, o Alexandre Santana, e virei o "rapaz do ponto". Sim, eu cuido da frequência no porto do Rio, em especial da Guarda Portuária. É um trabalho. É digno. É honesto. Mas deixei de ser uma pessoa e me tornei um relógio de ponto. Fui coisificado.
Sim. Na maioria dos dias eu mal chego (07:00) e não ouço bom dia e sim um "Ei, o relógio está com defeito!" ou um "Oi, estou com um probleminha aqui no ponto..." e o pior de todos "Olha, vocês me deram falta aqui (sim, eu fui na frequência de um fdp aleatório e taquei falta, claro...)". 
Eu imagino que na maioria dos empregos realmente seja assim e que eu esteja reclamando de barriga cheia. Pode ser. O problema é que não estou lidando com clientes, e sim com pessoas que trabalham na mesma empresa que eu. Com a grande diferença que estou EFETIVAMENTE trabalhando, diferente da grande maioria.
Foda-se, …