Pular para o conteúdo principal

Auto-plagiador marcial blog

Chega um momento na vida em que resolvemos fazer uma atividade física, seja por lazer, terapia ou mesmo pra perder uns litros de banha, e começa então a difícil tarefa de escolher a atividade. Pode ser algo para o qual as circunstâncias nos levam, como a Fran e a corrida, pode ser algo que você realmente goste, como minha esposa e a dança, ou pode ser por mera curiosidade, como eu e as artes marciais.

Everybody was kung fu fighting
Quando resolvi treinar eu não imaginava a quantidade de estilos disponíveis por aí. Judô, jiu jitsu, karate, kung fu, boxe, taekwondo, aikido... As possibilidades são infinitas. Primeiro passo: Escolher a arte marcial que você quer praticar. Não é tão simples assim, ainda mais se você não conhece nada. Sugiro assistir algumas aulas de várias modalidades e escolher uma com a qual você simpatize. O “clima” da academia é MUITO importante.

Depois que escolhi o Karate, precisei comprar o uniforme de treinamento, o popular kimono (que na verdade não é o nome correto, mas em qualquer loja só vão conhecer mesmo por kimono, então chame-o assim). Segundo passo: A escolha do uniforme. Teoricamente era pra ser algo fácil, é só chegar e comprar um kimono, mas não é tão simples assim. Dependendo do quê e de onde você treina, você só pode utilizar um kimono completamente branco. Há sistemas que permitem um kimono azul, ou um preto, ou um rosa, ou... Inúmeras cores. E não pense em economizar. Se for treinar algo como judô ou jiu jitsu, não compre um kimono de karate por ser mais baratinho. Ele vai rasgar em duas ou três aulas.

Escolhido o uniforme, bem, lá vamos nós para o treino. Simples, não? Não! Você agora começa a entrar em uma nova cultura. Dependendo do que treinar é simples, a maioria dos termos é em Português. Por outro lado, na maioria dos lugares você vai escutar termos em Japonês, Chinês, Coreano, Tailandês, Filipino, Hebraico, Francês... Uma Torre de Babel marcial. Terceiro passo: No início decorar, depois entender. Você vai se atrapalhar com os termos, mesmo em Português. Ou vai dizer que você sabe dizer o que é um “rabo de arraia”?

E começamos a aula, fazendo os movimentos que o professor demonstra. Nossa, ele faz tudo parecer simples, né? É, mas é só impressão. Não é simples, ao menos não no começo. Você não tem equilíbrio ainda, embora pense que tenha. Ainda não sabe “utilizar o quadril”, “deslocar o centro de gravidade” entre outras coisas.

Quarto passo: Não se desespere. Você com o tempo vai conseguir. Não se sinta diminuído ao ver todo mundo conseguindo e você não. Todo mundo ali teve sua primeira aula, inclusive o professor. O legal nas artes marciais é você perceber o seu desenvolvimento, você conseguindo vencer suas barreiras.

Nossa, agora você está conseguindo mais ou menos fazer os movimentos de bloqueio, ataque, quedas e chaves. Está feio, mas já consegue não cair ao se mover. Legal. Chegou a hora de fazer um treino livre com algum colega. Sim, claro, é uma arte marcial, porrada é inerente ao aprendizado. Sim, você VAI sentir dor. 

Quinto passo: Não chore. A dor faz parte do aprendizado de artes marciais, não tem jeito. Nariz sangra, você sai arranhado, com hematomas. Nossa, até mesmo bater dói, acredite. Mas com o tempo você acostuma e aprende a não se machucar. E passa a adorar isso! Parece loucura, e é.

No geral, quem não conhece esse lindo caminho das artes marciais, acha que tudo não passa de violência. Não é bem assim. Aprendemos a lidar com nossos medos, a lidar com situações de pressão e a nos superarmos. Nossos colegas de treino acabam se tornando uma segunda família, e bastante unida. Você passa a pesquisar mais sobre a história do seu estilo, e de outros, e aprendendo muito sobre a cultura do local de origem, ou mesmo do seu próprio país, dependendo do estilo escolhido. Eu escolhi esse caminho por pura curiosidade, e me apaixonei perdidamente.


Copiado descaradamente de mim mesmo em uma postagem feita no blog da Fran

Comentários

  1. eu ja tinha lido esse post antes no blog da fran! muito bom!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os 47 ronin, parte 2: A hora da vingança.

Como dito no post anterior,  o daimyo Asano Naganori se viu obrigado a realizar o seppuku por ter ferido um superior no palácio do Shogun.
Tal notícia foi levada para Oishi Kuranosuke Yoshio, conselheiro de Asano, que assumiu o comando e levou a família Asano para longe, antes de cumprir as ordens do Shogunato e entregar o palácio e o feudo para agentes governamentais.
Dos mais de 300 homens de  Asano, 45, junto com o líder Oishi, recusaram-se a permitir que o seu senhor não fosse vingado, embora o Shogunato houvesse proibido a vingança nesse caso. Sim, haviam casos em que a vingança era tolerada.
Eles se uniram, fazendo um juramento secreto para vingar seu mestre matando o vacilão do Kira, mesmo sabendo que seriam punidos severamente por isso.
Só que o Kira tava bem guardado, e sua residência tinha sido fortificada e a segurança reforçada pois todo mundo sabia que os samurai eram meio doidos. Os ronin perceberam que teriam que esperar a poeira baixar antes que pudessem ter uma peque…

"Cheio de Ki" blog

Você tem dificuldade em entender como funciona um moinho de vento? Ou como água vira vapor? Ou porque algo queima quando fica muito quente? Você pode até não saber aquelas fórmulas e cálculos da aula de física, mas sabe mais ou menos como o trem funciona e o que há de comum neles todos, não? Pois é, energia. Então, por que raios mistificar a palavra japonesa “Ki”? Pois é basicamente o que ela significa. Nós ocidentais costumamos ter certa dificuldade pra entender termos japoneses (orientais em geral na verdade) e, a maneira japonesa de se expressar acaba dificultando o nosso entendimento também. No caso do “Ki”, levamos o troço pra um nível esotérico, místico e imaginamos ser uma energia interna que nos faz soltar Hadoukens, ou algo como a Força em “Star Wars”. Nos parece um termo que só é utilizado por algum coroa igual ao Pai Mei, isolado em alguma montanha no lugar mais isolado, mas na verdade é um termo bem comum. Por exemplo: 磁気 (JIKI) , nos remete ao magnetismo. 電気 (Denki),…

Natalino Blog

Então, é Natal. Época de paz, confraternização, respeito, religiosidade, harmonia, solidariedade e muitas outras palavras bonitas. Resumindo, é epóca de hipocrisia.
Não, eu não sou contra o Natal e não, não sou contra as pessoas serem pacíficas, fraternais, respeitosas, religiosas, harmônicas, solidárias e outros adjetivos bonitos. Mas seria interessante se fossem assim o ano todo.
Mas o meu problema com Natal é outro. Meu problema com o Natal se resume simplesmente à atmosfera natalina. Minha dúvida é: Todo maldito lugar tem que ficar tocando música natalina????
Porra, eu juro que não aguento mais musiquinha de harpa, "Jingle bells" em ritmo de gospel music, Simone cantando música natalina, malditos brinquedinhos chineses tocando a mesma música em todos os camelôs... além da decoração. Juro que não aguento ver mais pinheiros, sininhos e guirlandas. Aliás, pra quem é alto esse problema fica ainda pior, pois toda hora damos uma cabeçada em alguma guirlanda. Aliás, uma dúvida que…