Pular para o conteúdo principal

Auto-plagiador marcial blog

Chega um momento na vida em que resolvemos fazer uma atividade física, seja por lazer, terapia ou mesmo pra perder uns litros de banha, e começa então a difícil tarefa de escolher a atividade. Pode ser algo para o qual as circunstâncias nos levam, como a Fran e a corrida, pode ser algo que você realmente goste, como minha esposa e a dança, ou pode ser por mera curiosidade, como eu e as artes marciais.

Everybody was kung fu fighting
Quando resolvi treinar eu não imaginava a quantidade de estilos disponíveis por aí. Judô, jiu jitsu, karate, kung fu, boxe, taekwondo, aikido... As possibilidades são infinitas. Primeiro passo: Escolher a arte marcial que você quer praticar. Não é tão simples assim, ainda mais se você não conhece nada. Sugiro assistir algumas aulas de várias modalidades e escolher uma com a qual você simpatize. O “clima” da academia é MUITO importante.

Depois que escolhi o Karate, precisei comprar o uniforme de treinamento, o popular kimono (que na verdade não é o nome correto, mas em qualquer loja só vão conhecer mesmo por kimono, então chame-o assim). Segundo passo: A escolha do uniforme. Teoricamente era pra ser algo fácil, é só chegar e comprar um kimono, mas não é tão simples assim. Dependendo do quê e de onde você treina, você só pode utilizar um kimono completamente branco. Há sistemas que permitem um kimono azul, ou um preto, ou um rosa, ou... Inúmeras cores. E não pense em economizar. Se for treinar algo como judô ou jiu jitsu, não compre um kimono de karate por ser mais baratinho. Ele vai rasgar em duas ou três aulas.

Escolhido o uniforme, bem, lá vamos nós para o treino. Simples, não? Não! Você agora começa a entrar em uma nova cultura. Dependendo do que treinar é simples, a maioria dos termos é em Português. Por outro lado, na maioria dos lugares você vai escutar termos em Japonês, Chinês, Coreano, Tailandês, Filipino, Hebraico, Francês... Uma Torre de Babel marcial. Terceiro passo: No início decorar, depois entender. Você vai se atrapalhar com os termos, mesmo em Português. Ou vai dizer que você sabe dizer o que é um “rabo de arraia”?

E começamos a aula, fazendo os movimentos que o professor demonstra. Nossa, ele faz tudo parecer simples, né? É, mas é só impressão. Não é simples, ao menos não no começo. Você não tem equilíbrio ainda, embora pense que tenha. Ainda não sabe “utilizar o quadril”, “deslocar o centro de gravidade” entre outras coisas.

Quarto passo: Não se desespere. Você com o tempo vai conseguir. Não se sinta diminuído ao ver todo mundo conseguindo e você não. Todo mundo ali teve sua primeira aula, inclusive o professor. O legal nas artes marciais é você perceber o seu desenvolvimento, você conseguindo vencer suas barreiras.

Nossa, agora você está conseguindo mais ou menos fazer os movimentos de bloqueio, ataque, quedas e chaves. Está feio, mas já consegue não cair ao se mover. Legal. Chegou a hora de fazer um treino livre com algum colega. Sim, claro, é uma arte marcial, porrada é inerente ao aprendizado. Sim, você VAI sentir dor. 

Quinto passo: Não chore. A dor faz parte do aprendizado de artes marciais, não tem jeito. Nariz sangra, você sai arranhado, com hematomas. Nossa, até mesmo bater dói, acredite. Mas com o tempo você acostuma e aprende a não se machucar. E passa a adorar isso! Parece loucura, e é.

No geral, quem não conhece esse lindo caminho das artes marciais, acha que tudo não passa de violência. Não é bem assim. Aprendemos a lidar com nossos medos, a lidar com situações de pressão e a nos superarmos. Nossos colegas de treino acabam se tornando uma segunda família, e bastante unida. Você passa a pesquisar mais sobre a história do seu estilo, e de outros, e aprendendo muito sobre a cultura do local de origem, ou mesmo do seu próprio país, dependendo do estilo escolhido. Eu escolhi esse caminho por pura curiosidade, e me apaixonei perdidamente.


Copiado descaradamente de mim mesmo em uma postagem feita no blog da Fran

Comentários

  1. eu ja tinha lido esse post antes no blog da fran! muito bom!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Limítrofe Blog.

Você acorda cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe e você quer um pouco de silêncio em sua vida pois no seu trabalho o telefone toca o tempo todo e em casa você tem vizinhos ouvindo música alta o tempo todo e na frente de casa tem uma porra de um lanterneiro.

E todo o dia a mesma coisa. E todo dia é o Dia da Marmota.

Você já nem aguenta mais ouvir seu n…

Dupliplusbom Blog

De uns tempos pra cá, por algum motivo que desconheço, uma galerinha "dubem" passou a querer controlar o que você diz, faz ou pensa. Tudo isso em nome da bondade, respeito e pluralidade. Oprimem contra a opressão. Censuram pela liberdade. Fazem malabarismos lógicos para taxar como ditaduras aquilo que não gostam e chamar de democracia ditaduras descaradas que compartilham de sua ideologia.

 Quem já leu o romance “1984” de George Orwell vai entender de cara essa questão. Essa galerinha "dubem" utiliza de duas ferramentas linguísticas que Orwell descreveu muito bem em sua distopia: duplipensamento e novilíngua. Basicamente, essas ferramentas visam moldar o pensamento a partir da mentalidade revolucionária e limitar a capacidade de comunicação e expressão dos indivíduos, transformando-os em meros robôs. 
O duplipensamento é o ato de aceitar simultaneamente duas crenças mutualmente contraditórias como corretas. Parece com hipocrisia, mas na verdade a pessoa REALMENTE acr…

Rockinriozístico Blog, parte 1

Ontem fui novamente ao Rock in Rio. Falem o que quiser, mas eu gosto desse programa de índio. E dessa vez o transporte foi até bem facilitado (NADA que se compare ao de 2001, com seus ônibus saindo de inúmeras partes da cidade, incluindo Vigário Geral), não sendo um grande inferno como o de 2013.

Basicamente descemos quase em frente à entrada, num terminal do BRT. Apesar da grande quantidade de pessoas, o fluxo seguia normal. 

A entrada em si demorou, pois havia uma fila pra já garantir a passagem do BRT na volta, a fila da revista e a da bilheteria, mas não foi nenhum absurdo. Demorava mais desviar das inúmeras selfies sendo tiradas. 

Havia, por alguma razão, uma área dedicada aos games e afins, com alguns cosplayers. E nunca escondi meu desprezo por esse tipo. 

Havia muita gente com camiseta do Rock in Rio. No Rock in Rio. Fiquei imaginando que seria um tipo de abadá pra uma micareta. 

Havia uma galera com roupa tipo de motoqueiro americano. Ou aquela galera parecendo punk. Ou metaleiro…