Pular para o conteúdo principal

Nipônico Blog



 Hoje, no Japão (Ou em qualquer lugar que tenha uma colônia japonesa), se comemora o Tanabata. Vem de uma lenda que diz que há muito tempo, morava próximo da Via Láctea (ó o Peitismo presente) uma princesa chamada Orihime a "Princesa Tecelã". Pq raios uma princesa era tecelã, não se sabe, vai ver era hobby.

Certo dia o pai dela, o  "Senhor Celestial", fez uma festa reunindo a galera pra ver se achava um marido pra mina, onde apareceram príncipes, nobres, samurais, gente com grana em geral mas a mina acabou se apaixonando por, Kengyu o "Pastor do Gado". O pai da mina viu que ele era um cabra trabalhador e honesto e,acreditando que este fosse o par ideal para ela, deixou que se casassem.

Os dois se apaixonaram pra valer. A partir de então, a vida de ambos girava apenas em torno do belo romance, ou seja, vuco-vuco direto, deixando de lado suas tarefas e obrigações diárias. Tipo, o gado tava deixando de ser tratado e a galera ficando peladona pq a princesa não tava mais tecendo roupa.

Puto com a falta de responsabilidade do casal, o pai da mina decidiu separar os dois, obrigando-os a morar em lados opostos da Via Láctea.

A separação trouxe muito sofrimento e tristeza para Orihime. Sentindo que sua filha tava na merda, seu pai resolveu permitir que o jovem casal se encontrasse, porém somente uma vez por ano, no sétimo dia do sétimo mês do calendário lunar, desde que cumprissem sua ordem de atender todos os pedidos vindos da Terra nesta data. Nesse dia, um corvão (um corvo grande pra caralho, raios), ou um arco-íris, vai depender da versão, surge e faz a ligação entre um ponto e outro da via láctea.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Coisificado blog

Sabe como é ter realização profissional? Eu não.
Há um certo tempo venho notando que deixei de ser uma pessoa, o Alexandre Santana, e virei o "rapaz do ponto". Sim, eu cuido da frequência no porto do Rio, em especial da Guarda Portuária. É um trabalho. É digno. É honesto. Mas deixei de ser uma pessoa e me tornei um relógio de ponto. Fui coisificado.
Sim. Na maioria dos dias eu mal chego (07:00) e não ouço bom dia e sim um "Ei, o relógio está com defeito!" ou um "Oi, estou com um probleminha aqui no ponto..." e o pior de todos "Olha, vocês me deram falta aqui (sim, eu fui na frequência de um fdp aleatório e taquei falta, claro...)". 
Eu imagino que na maioria dos empregos realmente seja assim e que eu esteja reclamando de barriga cheia. Pode ser. O problema é que não estou lidando com clientes, e sim com pessoas que trabalham na mesma empresa que eu. Com a grande diferença que estou EFETIVAMENTE trabalhando, diferente da grande maioria.
Foda-se, …

Limítrofe Blog.

Você acorda cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe e você quer um pouco de silêncio em sua vida pois no seu trabalho o telefone toca o tempo todo e em casa você tem vizinhos ouvindo música alta o tempo todo e na frente de casa tem uma porra de um lanterneiro.

E todo o dia a mesma coisa. E todo dia é o Dia da Marmota.

Você já nem aguenta mais ouvir seu n…

Suicida blog

Quero morrer.

Não literalmente. Essa eu aguardo sem muita pressa, mas já sabendo que é inevitável.

É mais uma espécie de "morte figurada", por assim dizer. Aos poucos eu venho matando o Alexandre que foi construído ao longo dos anos e que meio que estacionou. Esse Alexandre já não tem mais muito espaço, esse Alexandre só faz merda e só se afunda.

Esse Alexandre trocou sonhos por segurança. Não que segurança seja ruim, pelo contrário, mas esse Alexandre se acomodou. Muito. Esse Alexandre virou uma pífia sombra daquele Alexandre cheio de sonhos, esperanças e "sangue nos olhos". Sei que aquele Alexandre não volta, ou pode voltar cheio de cicatrizes, mas ESSE Alexandre de hoje em dia precisa morrer.