Pular para o conteúdo principal

Nipônico Blog



 Hoje, no Japão (Ou em qualquer lugar que tenha uma colônia japonesa), se comemora o Tanabata. Vem de uma lenda que diz que há muito tempo, morava próximo da Via Láctea (ó o Peitismo presente) uma princesa chamada Orihime a "Princesa Tecelã". Pq raios uma princesa era tecelã, não se sabe, vai ver era hobby.

Certo dia o pai dela, o  "Senhor Celestial", fez uma festa reunindo a galera pra ver se achava um marido pra mina, onde apareceram príncipes, nobres, samurais, gente com grana em geral mas a mina acabou se apaixonando por, Kengyu o "Pastor do Gado". O pai da mina viu que ele era um cabra trabalhador e honesto e,acreditando que este fosse o par ideal para ela, deixou que se casassem.

Os dois se apaixonaram pra valer. A partir de então, a vida de ambos girava apenas em torno do belo romance, ou seja, vuco-vuco direto, deixando de lado suas tarefas e obrigações diárias. Tipo, o gado tava deixando de ser tratado e a galera ficando peladona pq a princesa não tava mais tecendo roupa.

Puto com a falta de responsabilidade do casal, o pai da mina decidiu separar os dois, obrigando-os a morar em lados opostos da Via Láctea.

A separação trouxe muito sofrimento e tristeza para Orihime. Sentindo que sua filha tava na merda, seu pai resolveu permitir que o jovem casal se encontrasse, porém somente uma vez por ano, no sétimo dia do sétimo mês do calendário lunar, desde que cumprissem sua ordem de atender todos os pedidos vindos da Terra nesta data. Nesse dia, um corvão (um corvo grande pra caralho, raios), ou um arco-íris, vai depender da versão, surge e faz a ligação entre um ponto e outro da via láctea.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Limítrofe Blog.

Você acorda cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe e você quer um pouco de silêncio em sua vida pois no seu trabalho o telefone toca o tempo todo e em casa você tem vizinhos ouvindo música alta o tempo todo e na frente de casa tem uma porra de um lanterneiro.

E todo o dia a mesma coisa. E todo dia é o Dia da Marmota.

Você já nem aguenta mais ouvir seu n…

Dupliplusbom Blog

De uns tempos pra cá, por algum motivo que desconheço, uma galerinha "dubem" passou a querer controlar o que você diz, faz ou pensa. Tudo isso em nome da bondade, respeito e pluralidade. Oprimem contra a opressão. Censuram pela liberdade. Fazem malabarismos lógicos para taxar como ditaduras aquilo que não gostam e chamar de democracia ditaduras descaradas que compartilham de sua ideologia.

 Quem já leu o romance “1984” de George Orwell vai entender de cara essa questão. Essa galerinha "dubem" utiliza de duas ferramentas linguísticas que Orwell descreveu muito bem em sua distopia: duplipensamento e novilíngua. Basicamente, essas ferramentas visam moldar o pensamento a partir da mentalidade revolucionária e limitar a capacidade de comunicação e expressão dos indivíduos, transformando-os em meros robôs. 
O duplipensamento é o ato de aceitar simultaneamente duas crenças mutualmente contraditórias como corretas. Parece com hipocrisia, mas na verdade a pessoa REALMENTE acr…

Rockinriozístico Blog, parte 1

Ontem fui novamente ao Rock in Rio. Falem o que quiser, mas eu gosto desse programa de índio. E dessa vez o transporte foi até bem facilitado (NADA que se compare ao de 2001, com seus ônibus saindo de inúmeras partes da cidade, incluindo Vigário Geral), não sendo um grande inferno como o de 2013.

Basicamente descemos quase em frente à entrada, num terminal do BRT. Apesar da grande quantidade de pessoas, o fluxo seguia normal. 

A entrada em si demorou, pois havia uma fila pra já garantir a passagem do BRT na volta, a fila da revista e a da bilheteria, mas não foi nenhum absurdo. Demorava mais desviar das inúmeras selfies sendo tiradas. 

Havia, por alguma razão, uma área dedicada aos games e afins, com alguns cosplayers. E nunca escondi meu desprezo por esse tipo. 

Havia muita gente com camiseta do Rock in Rio. No Rock in Rio. Fiquei imaginando que seria um tipo de abadá pra uma micareta. 

Havia uma galera com roupa tipo de motoqueiro americano. Ou aquela galera parecendo punk. Ou metaleiro…