Pular para o conteúdo principal

Os 47 ronin, parte I: Asano Naganori


Não é novidade que sou fascinado pelo que diz respeito ao bushido e pelo tema vingança. Logo, não havia como eu não ser fã dessa história ocorrida no Japão feudal que atravessou séculos e é contada como exemplo de devoção até os dias de hoje. Sem mais delongas, a primeira parte:


Em 28 de Setembro de 1667 nascia em Edo, atual Tóquio, Asano Naganori, cujo avô era um Daimyo, um senhor feudal, em Ako, um feudo de tamanho inferior.
Pouco tempo depois, seu avô morreu e, raios, antes dos 9 anos de idade seu pai também veio a falecer, fazendo com que o guri viesse a se tornar um senhor de terras antes de sequer precisar se barbear.
No ano de 1680, aos 13 anos, foi nomeado para o cargo de Chefe de Carpintaria na Corte Imperial, mas tal cargo só existia no papel. Era um cargo honorífico como vários outros, dados a samurai ou senhores feudais para garantir um bom relacionamento entre os feudos. Basicamente, era um aspone. Ou um assessor parlamentar.
É, ele era um daimyo de um feudo merda. Mas era daimyo, então tava sempre nas altas rodas, mudando de cargo de acordo com a conveniência da Corte ou do Shogunato Tokugawa. Chegou a ser o cara que recebia emissários de um pro outro. Tipo um mordomo mais pomposo.
Foi nessa época que ele conheceu Kira Yoshinaga, o chefe de assuntos cerimoniais no Shogunato, que instruía os oficiais na boas maneiras de Kyoto.
Em 1694 ele estava bem doente. E não tinha herdeiros. Pô, se um daimyo morresse e não tivesse herdeiros, sua Casa seria extinta pelo Shogunato. Seu feudo confiscado e seus samurai se tornariam ronin, alguém sem um senhor ou, literalmente “homem que vai com a onda”. Isso seria uma desonra gigante! Ele acabou por tornar seu irmão mais novo como seu herdeiro direto, e o Shogunato aceitou isso.
Ele andava tendo uns atritos com o Kira Yoshinaga, e o tal Kira era bem visto pelo Shogun. Tanto que embarreirou algumas nomeações que Asano viria a receber, e tensão foi aumentando. Tava insuportável pra ele.
Aí, em 21 de abril de 1701 as coisas degringolaram. Após uma acalorada discussão, Asano sacou sua espada e feriu Kira. Foi a pior merda que ele podia ter feito. O Shogun Tsunayoshi Tokugawa determinou que Asano fizesse o seppuku, um suício ritualizado onde o cidadão vai e corta o ventre. O popular “harakiri”.
Pois é, ele se matou. Sua casa foi extinta. Seu feudo confiscado e seus samurai se tornaram ronin. E é aí onde eu queria chegar...

Mas só no próximo post. ;)



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os 47 ronin, parte 2: A hora da vingança.

Como dito no post anterior,  o daimyo Asano Naganori se viu obrigado a realizar o seppuku por ter ferido um superior no palácio do Shogun.
Tal notícia foi levada para Oishi Kuranosuke Yoshio, conselheiro de Asano, que assumiu o comando e levou a família Asano para longe, antes de cumprir as ordens do Shogunato e entregar o palácio e o feudo para agentes governamentais.
Dos mais de 300 homens de  Asano, 45, junto com o líder Oishi, recusaram-se a permitir que o seu senhor não fosse vingado, embora o Shogunato houvesse proibido a vingança nesse caso. Sim, haviam casos em que a vingança era tolerada.
Eles se uniram, fazendo um juramento secreto para vingar seu mestre matando o vacilão do Kira, mesmo sabendo que seriam punidos severamente por isso.
Só que o Kira tava bem guardado, e sua residência tinha sido fortificada e a segurança reforçada pois todo mundo sabia que os samurai eram meio doidos. Os ronin perceberam que teriam que esperar a poeira baixar antes que pudessem ter uma peque…

"Cheio de Ki" blog

Você tem dificuldade em entender como funciona um moinho de vento? Ou como água vira vapor? Ou porque algo queima quando fica muito quente? Você pode até não saber aquelas fórmulas e cálculos da aula de física, mas sabe mais ou menos como o trem funciona e o que há de comum neles todos, não? Pois é, energia. Então, por que raios mistificar a palavra japonesa “Ki”? Pois é basicamente o que ela significa. Nós ocidentais costumamos ter certa dificuldade pra entender termos japoneses (orientais em geral na verdade) e, a maneira japonesa de se expressar acaba dificultando o nosso entendimento também. No caso do “Ki”, levamos o troço pra um nível esotérico, místico e imaginamos ser uma energia interna que nos faz soltar Hadoukens, ou algo como a Força em “Star Wars”. Nos parece um termo que só é utilizado por algum coroa igual ao Pai Mei, isolado em alguma montanha no lugar mais isolado, mas na verdade é um termo bem comum. Por exemplo: 磁気 (JIKI) , nos remete ao magnetismo. 電気 (Denki),…

Natalino Blog

Então, é Natal. Época de paz, confraternização, respeito, religiosidade, harmonia, solidariedade e muitas outras palavras bonitas. Resumindo, é epóca de hipocrisia.
Não, eu não sou contra o Natal e não, não sou contra as pessoas serem pacíficas, fraternais, respeitosas, religiosas, harmônicas, solidárias e outros adjetivos bonitos. Mas seria interessante se fossem assim o ano todo.
Mas o meu problema com Natal é outro. Meu problema com o Natal se resume simplesmente à atmosfera natalina. Minha dúvida é: Todo maldito lugar tem que ficar tocando música natalina????
Porra, eu juro que não aguento mais musiquinha de harpa, "Jingle bells" em ritmo de gospel music, Simone cantando música natalina, malditos brinquedinhos chineses tocando a mesma música em todos os camelôs... além da decoração. Juro que não aguento ver mais pinheiros, sininhos e guirlandas. Aliás, pra quem é alto esse problema fica ainda pior, pois toda hora damos uma cabeçada em alguma guirlanda. Aliás, uma dúvida que…