Pular para o conteúdo principal

Os 47 ronin, parte I: Asano Naganori


Não é novidade que sou fascinado pelo que diz respeito ao bushido e pelo tema vingança. Logo, não havia como eu não ser fã dessa história ocorrida no Japão feudal que atravessou séculos e é contada como exemplo de devoção até os dias de hoje. Sem mais delongas, a primeira parte:


Em 28 de Setembro de 1667 nascia em Edo, atual Tóquio, Asano Naganori, cujo avô era um Daimyo, um senhor feudal, em Ako, um feudo de tamanho inferior.
Pouco tempo depois, seu avô morreu e, raios, antes dos 9 anos de idade seu pai também veio a falecer, fazendo com que o guri viesse a se tornar um senhor de terras antes de sequer precisar se barbear.
No ano de 1680, aos 13 anos, foi nomeado para o cargo de Chefe de Carpintaria na Corte Imperial, mas tal cargo só existia no papel. Era um cargo honorífico como vários outros, dados a samurai ou senhores feudais para garantir um bom relacionamento entre os feudos. Basicamente, era um aspone. Ou um assessor parlamentar.
É, ele era um daimyo de um feudo merda. Mas era daimyo, então tava sempre nas altas rodas, mudando de cargo de acordo com a conveniência da Corte ou do Shogunato Tokugawa. Chegou a ser o cara que recebia emissários de um pro outro. Tipo um mordomo mais pomposo.
Foi nessa época que ele conheceu Kira Yoshinaga, o chefe de assuntos cerimoniais no Shogunato, que instruía os oficiais na boas maneiras de Kyoto.
Em 1694 ele estava bem doente. E não tinha herdeiros. Pô, se um daimyo morresse e não tivesse herdeiros, sua Casa seria extinta pelo Shogunato. Seu feudo confiscado e seus samurai se tornariam ronin, alguém sem um senhor ou, literalmente “homem que vai com a onda”. Isso seria uma desonra gigante! Ele acabou por tornar seu irmão mais novo como seu herdeiro direto, e o Shogunato aceitou isso.
Ele andava tendo uns atritos com o Kira Yoshinaga, e o tal Kira era bem visto pelo Shogun. Tanto que embarreirou algumas nomeações que Asano viria a receber, e tensão foi aumentando. Tava insuportável pra ele.
Aí, em 21 de abril de 1701 as coisas degringolaram. Após uma acalorada discussão, Asano sacou sua espada e feriu Kira. Foi a pior merda que ele podia ter feito. O Shogun Tsunayoshi Tokugawa determinou que Asano fizesse o seppuku, um suício ritualizado onde o cidadão vai e corta o ventre. O popular “harakiri”.
Pois é, ele se matou. Sua casa foi extinta. Seu feudo confiscado e seus samurai se tornaram ronin. E é aí onde eu queria chegar...

Mas só no próximo post. ;)



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Limítrofe Blog.

Você acorda cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe e você quer um pouco de silêncio em sua vida pois no seu trabalho o telefone toca o tempo todo e em casa você tem vizinhos ouvindo música alta o tempo todo e na frente de casa tem uma porra de um lanterneiro.

E todo o dia a mesma coisa. E todo dia é o Dia da Marmota.

Você já nem aguenta mais ouvir seu n…

Coisificado blog

Sabe como é ter realização profissional? Eu não.
Há um certo tempo venho notando que deixei de ser uma pessoa, o Alexandre Santana, e virei o "rapaz do ponto". Sim, eu cuido da frequência no porto do Rio, em especial da Guarda Portuária. É um trabalho. É digno. É honesto. Mas deixei de ser uma pessoa e me tornei um relógio de ponto. Fui coisificado.
Sim. Na maioria dos dias eu mal chego (07:00) e não ouço bom dia e sim um "Ei, o relógio está com defeito!" ou um "Oi, estou com um probleminha aqui no ponto..." e o pior de todos "Olha, vocês me deram falta aqui (sim, eu fui na frequência de um fdp aleatório e taquei falta, claro...)". 
Eu imagino que na maioria dos empregos realmente seja assim e que eu esteja reclamando de barriga cheia. Pode ser. O problema é que não estou lidando com clientes, e sim com pessoas que trabalham na mesma empresa que eu. Com a grande diferença que estou EFETIVAMENTE trabalhando, diferente da grande maioria.
Foda-se, …

Suicida blog

Quero morrer.

Não literalmente. Essa eu aguardo sem muita pressa, mas já sabendo que é inevitável.

É mais uma espécie de "morte figurada", por assim dizer. Aos poucos eu venho matando o Alexandre que foi construído ao longo dos anos e que meio que estacionou. Esse Alexandre já não tem mais muito espaço, esse Alexandre só faz merda e só se afunda.

Esse Alexandre trocou sonhos por segurança. Não que segurança seja ruim, pelo contrário, mas esse Alexandre se acomodou. Muito. Esse Alexandre virou uma pífia sombra daquele Alexandre cheio de sonhos, esperanças e "sangue nos olhos". Sei que aquele Alexandre não volta, ou pode voltar cheio de cicatrizes, mas ESSE Alexandre de hoje em dia precisa morrer.