Pular para o conteúdo principal

Belicoso Blog

Hoje fiz uma aula de tiro.

Sim, fui lá, paguei e dei uns tiros, com uma rápida instrução sobre como carregar a arma, segurar e mirar. Não é exatamente complicado, mas também não é tão fácil como filmes fazem parecer.
Minha experiência com tiros se resumia à Laser Gun do Phantom System, o Time Crisis e tiros com arco no Kyudo (arquearia japonesa). Ou seja, um total leigo.
Fiz minha inscrição há uns dias e hoje fui lá ver como era. Domingo de manhã lá estava eu numa parte meio barra pesada do Centro do Rio. O stand fica perto da Central do Brasil, e quem conhece os arredores entende o que estou falando. Mas na verdade estava bem tranquilo.

Breve resumo:

- Não é tão caro quanto eu imaginava. Mas pra praticar ainda é pesado pra um assalariado médio brasileiro.

- Colocar as balas no carregador é mais difícil do que mostram nos filmes.

- A arma era uma Imbel M2 .380 e, a despeito da minha total leiguice, achei a arma de uma ergonomia linda. Muito mais que um arco de Kyudo (que tem mais de 2 metros)

- Dar um tiro num ambiente controlado e seguro é libertador. Relaxante. Desestressante.

- Dá pra ter toda a concentração do Kyudo. Mesmo.

-A arma não é pesada no começo. Mas depois de um tempo atirando ela pesa e muito.

- O coice dessa não é muito diferente do coice da arma do Time Crisis. Sem sacanagem.

- Atirei à 10 e 15 metros. Só 3 tiros foram fora do alvo, o restante até que foi bem razoável pra um cabaço total.

- Dar um tiro com uma Colt 45 é um tesão.

- O coice da 45 é beeeeeeeem diferente da arma do Time Crisis.

- Quero fazer isso mais vezes.


Imagem relacionada

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Limítrofe Blog.

Você acorda cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe e você quer um pouco de silêncio em sua vida pois no seu trabalho o telefone toca o tempo todo e em casa você tem vizinhos ouvindo música alta o tempo todo e na frente de casa tem uma porra de um lanterneiro.

E todo o dia a mesma coisa. E todo dia é o Dia da Marmota.

Você já nem aguenta mais ouvir seu n…

Dupliplusbom Blog

De uns tempos pra cá, por algum motivo que desconheço, uma galerinha "dubem" passou a querer controlar o que você diz, faz ou pensa. Tudo isso em nome da bondade, respeito e pluralidade. Oprimem contra a opressão. Censuram pela liberdade. Fazem malabarismos lógicos para taxar como ditaduras aquilo que não gostam e chamar de democracia ditaduras descaradas que compartilham de sua ideologia.

 Quem já leu o romance “1984” de George Orwell vai entender de cara essa questão. Essa galerinha "dubem" utiliza de duas ferramentas linguísticas que Orwell descreveu muito bem em sua distopia: duplipensamento e novilíngua. Basicamente, essas ferramentas visam moldar o pensamento a partir da mentalidade revolucionária e limitar a capacidade de comunicação e expressão dos indivíduos, transformando-os em meros robôs. 
O duplipensamento é o ato de aceitar simultaneamente duas crenças mutualmente contraditórias como corretas. Parece com hipocrisia, mas na verdade a pessoa REALMENTE acr…

Rockinriozístico Blog, parte 1

Ontem fui novamente ao Rock in Rio. Falem o que quiser, mas eu gosto desse programa de índio. E dessa vez o transporte foi até bem facilitado (NADA que se compare ao de 2001, com seus ônibus saindo de inúmeras partes da cidade, incluindo Vigário Geral), não sendo um grande inferno como o de 2013.

Basicamente descemos quase em frente à entrada, num terminal do BRT. Apesar da grande quantidade de pessoas, o fluxo seguia normal. 

A entrada em si demorou, pois havia uma fila pra já garantir a passagem do BRT na volta, a fila da revista e a da bilheteria, mas não foi nenhum absurdo. Demorava mais desviar das inúmeras selfies sendo tiradas. 

Havia, por alguma razão, uma área dedicada aos games e afins, com alguns cosplayers. E nunca escondi meu desprezo por esse tipo. 

Havia muita gente com camiseta do Rock in Rio. No Rock in Rio. Fiquei imaginando que seria um tipo de abadá pra uma micareta. 

Havia uma galera com roupa tipo de motoqueiro americano. Ou aquela galera parecendo punk. Ou metaleiro…