Pular para o conteúdo principal

Intolerante blog

Acredito que todo ser humano seja igual, independente de etnia, sexo, nacionalidade, religião, orientação sexual, nível cultural ou qualquer outro diferencial. Mas juro que sempre penso em rever meus conceitos quando pego o metrô em dia de jogo no Maracanã.

Comentários

  1. É.....nunca tive a experiência de pegar metrô em dia de jogo no Marcanã, mas já tive oportunidades de rever meus conceitos tbm. Acho que issso acontece com todo mundo.

    Não sei se é intolerância, mas que eu revejo eu revejo!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Eu acredito numa única diferença entre os seres humanos: Alguns tomam banho;

    ;)

    ResponderExcluir
  3. HIUAHIUAHIUHAIUAHUIAHIUAHIUHAI
    Metro é Metro né, ali ninguem é normal! HAHAHHA

    Amei a diferença da Chritallina: alguns tomam banho! HAHHAHA

    boaboa! bjo

    ResponderExcluir
  4. ...Haha, imagino!

    Bom, quanto aos filósofos, ora, a morte é a princesa da filosofia. Quê haveria de se refletir sobre a vida não fosse a certeza da morte? Pois que a ausência de certeza quanto a uma anula a mesma quanto a outra.

    "Emo", esse é um termo meio preconceituoso, pra quem acredita que todo ser humano seja igual, haha, :P

    Abraço, Warui!

    ResponderExcluir
  5. heheheheheheehehehe... realmente, futebol "deciviliza" boa parte das pessoas...

    ResponderExcluir
  6. E por que motivo pensa em rever seus conceitos?

    ResponderExcluir
  7. AEHUEaheAUHEauEAHUaeh

    Mas tava muito cheio o Maraca Domingo.

    Mesmo sendo gremista eu tenho que reconhecer, que show que deu a torcida do Flamengo. =p

    ResponderExcluir
  8. Não se pode encontrar uma diversidade de pessoas maior do que no metro! Ainda mais em dia de jogos do Maracanã que deve aparecer cada figura sem ares que se deixe ao menos suspeitar que é humana!

    ResponderExcluir
  9. dia de jogo é dificil msm...;
    mas não acho que seja pra tanto assim, rsrs
    pra ir a jogo tem q ta acostumado...
    abraço

    ResponderExcluir
  10. Bem..somos todos iguais diante de Deus..estou certo disso. Por mais aversão que nos dê uma figura ou outra da sociedade.

    ResponderExcluir
  11. No Palestra Itália não é muito diferente... =/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os 47 ronin, parte 2: A hora da vingança.

Como dito no post anterior,  o daimyo Asano Naganori se viu obrigado a realizar o seppuku por ter ferido um superior no palácio do Shogun.
Tal notícia foi levada para Oishi Kuranosuke Yoshio, conselheiro de Asano, que assumiu o comando e levou a família Asano para longe, antes de cumprir as ordens do Shogunato e entregar o palácio e o feudo para agentes governamentais.
Dos mais de 300 homens de  Asano, 45, junto com o líder Oishi, recusaram-se a permitir que o seu senhor não fosse vingado, embora o Shogunato houvesse proibido a vingança nesse caso. Sim, haviam casos em que a vingança era tolerada.
Eles se uniram, fazendo um juramento secreto para vingar seu mestre matando o vacilão do Kira, mesmo sabendo que seriam punidos severamente por isso.
Só que o Kira tava bem guardado, e sua residência tinha sido fortificada e a segurança reforçada pois todo mundo sabia que os samurai eram meio doidos. Os ronin perceberam que teriam que esperar a poeira baixar antes que pudessem ter uma peque…

Kitânico Blog 2, a Missão.

監督·ばんざい (Kantoku. Banzai!) ou "Glória ao cineasta!" é um filme autobiográfico de Kitano. É o segundo da trilogia autobiográfica, iniciada com Takeshis e terminada com Aquiles e a Tartaruga. Neste ele usa uma forma meio "Monty Python's The Meaning of Life", com várias esquetes meio com uma certa ligação entre si para contar criativamente sobre como um hiato criativo o está atacando. 
 É um filme bem difícil de descrever, é meio como se Ed Wood e Stanley Kubrick se juntassem numa só pessoa e fizesse um filme. E atuasse. E usasse um boneco de fibra como dublê. A forma como ele narra usa recursos propositalmente toscos de computação gráfica, pessoas agindo como se estivessem em anime e hilárias autocríticas a seu estilo e sua fixação por violência e Yakuza. 
Resumindo: Takeshi Kitano, interpretado por Beat Takeshi (Sim, são personalidades distintas) busca desesperadamente um novo gênero que trará o público de volta aos cinemas, visto que seus filmes nunca foram suces…

Kitânico Blog 3, o Desafio Final.

Nessa minha última ida ao festival de Takeshi Kitano na Caixa cultural eu revi "Zatoichi" de 2003. Adoro esse filme, tenho o DVD e sou fã do personagem.
 Zatoichi é um dos personagens de ficção mais conhecidos na literatura do Japão e TV. O personagem foi criado pelo escritor Kan Shimozawa e depois foi adaptado para a TV pelo Daiei Studios e originalmente interpretado por Shintaro Katsu.
 Zatoichi aparece como um anma san (massagista) cego que vagueia ganhando a vida realizando suas massagens, acupuntura e jogando dados. No entento, ele é um excelente espadachim do estilo Muraku-Ryu de kenjutsu e iai e também mostra habilidades em Sumo, taijutsu e kyujutsu.
 Ele não carrega uma katana comum, e sim uma shikomizue (espada disfarçada de bengala). Ou seja, ele passa a imagem de um massagista cego completamente indefeso. Isso, pra mim, é genial.
Então, Kitano sempre foi um fã de Chanbara (o nome original dos filmes de samurai) e nada melhor que esse personagem icônico pra fazer …