Pular para o conteúdo principal

Enlutado blog

A judoca Daiane Tavares Queiroz, de 16 anos, colecionava vitórias e sonhava em disputar a Olimpíada de Pequim no ano que vem. Ela chegou a participar de uma pré-seletiva. Hoje amigos, familiares e atletas se despediram da atleta, que morreu ontem cedo em Dourados depois de 16 dias internada no Hospital Evangélico.

Ela lesionou a coluna em dois locais durante uma luta em campeonato que ocorria no Complexo Esportivo Jorge Antonio Salomão. A lutadora foi operada e a família pediu à Polícia Civil que investigue as circunstâncias da morte. Há suspeita de que ela tenha contraído infecção hospitalar. A instituição ontem divulgou que Daiane morreu em decorrência da lesão na medula e insuficiência respiratória.


Diferente do que foi divulgado, ela não tinha se machucado antes da lesão mais grave, assegurou o técnico da atleta, Alessandro Nascimento. Segundo ele, Daiane não sofreu um golpe, mas se feriu durante um movimento enquanto a adversária fazia uma virada.

Submetida a cirurgia, a jovem adquiriu um quadro de complicações, segundo apurou a reportagem. Familiares e amigos estavam consternados e evitaram conversar com jornalistas. A mãe apenas disse que nada traria a filha de volta. Uma das amigas foi com uma camiseta cheia de frases, entre elas constava que a atleta sempre morará em seu coração e ainda “Amigas não são para um dia e sim para sempre”.

A amiga Juliana Nicodemos Mendonça destacou a inteligência e o humor da lutadora. Rafaela Vieira falou da paixão pelo judô.

Vitórias- Daiane morava em Campo Grande. Ela foi a Dourados especialmente para a competição, em busca de mais vitórias. Nascimento conta que a judoca foi terceira colocada no Campeonato Brasileiro Senium e venceu em três categorias da Copa Hebraica de Judô.


ps: Força para a família e muito mais para a adversária na luta na qual a lesão ocorreu.

Comentários

  1. Eu sinto muito. A morte de uma jovem sempre é uma perda muito grande. Irreparável. E como vc frisou, a garota com a qual ela competiu deve estar se sentindo péssima. É algo muito triste memso.

    ResponderExcluir
  2. Porra, até judô? Triste.

    ResponderExcluir
  3. Nossa, eu acho que a dor d adversária consegue sem bem maior que a da familia, muito triste isso que aconteceu!

    ResponderExcluir
  4. Anônimo12:19 PM

    puxa...que fatalidade...
    força pra familia e pra lutadora.

    ResponderExcluir
  5. Triste =/

    Meus pêsames para a família, e confiem sempre em Deus.

    ResponderExcluir
  6. é, mais um sonho destruído.
    Lamentável!
    é o brasil...

    ResponderExcluir
  7. Força para todos os envolvidos. É realmente triste...

    Abraço

    ResponderExcluir
  8. Anônimo9:56 PM

    É realmente triste quando algo assim acontece...

    Um grande futuro interrompido...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Limítrofe Blog.

Você acorda cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe e você quer um pouco de silêncio em sua vida pois no seu trabalho o telefone toca o tempo todo e em casa você tem vizinhos ouvindo música alta o tempo todo e na frente de casa tem uma porra de um lanterneiro.

E todo o dia a mesma coisa. E todo dia é o Dia da Marmota.

Você já nem aguenta mais ouvir seu n…

Coisificado blog

Sabe como é ter realização profissional? Eu não.
Há um certo tempo venho notando que deixei de ser uma pessoa, o Alexandre Santana, e virei o "rapaz do ponto". Sim, eu cuido da frequência no porto do Rio, em especial da Guarda Portuária. É um trabalho. É digno. É honesto. Mas deixei de ser uma pessoa e me tornei um relógio de ponto. Fui coisificado.
Sim. Na maioria dos dias eu mal chego (07:00) e não ouço bom dia e sim um "Ei, o relógio está com defeito!" ou um "Oi, estou com um probleminha aqui no ponto..." e o pior de todos "Olha, vocês me deram falta aqui (sim, eu fui na frequência de um fdp aleatório e taquei falta, claro...)". 
Eu imagino que na maioria dos empregos realmente seja assim e que eu esteja reclamando de barriga cheia. Pode ser. O problema é que não estou lidando com clientes, e sim com pessoas que trabalham na mesma empresa que eu. Com a grande diferença que estou EFETIVAMENTE trabalhando, diferente da grande maioria.
Foda-se, …

Suicida blog

Quero morrer.

Não literalmente. Essa eu aguardo sem muita pressa, mas já sabendo que é inevitável.

É mais uma espécie de "morte figurada", por assim dizer. Aos poucos eu venho matando o Alexandre que foi construído ao longo dos anos e que meio que estacionou. Esse Alexandre já não tem mais muito espaço, esse Alexandre só faz merda e só se afunda.

Esse Alexandre trocou sonhos por segurança. Não que segurança seja ruim, pelo contrário, mas esse Alexandre se acomodou. Muito. Esse Alexandre virou uma pífia sombra daquele Alexandre cheio de sonhos, esperanças e "sangue nos olhos". Sei que aquele Alexandre não volta, ou pode voltar cheio de cicatrizes, mas ESSE Alexandre de hoje em dia precisa morrer.