Pular para o conteúdo principal

Enlutado blog

A judoca Daiane Tavares Queiroz, de 16 anos, colecionava vitórias e sonhava em disputar a Olimpíada de Pequim no ano que vem. Ela chegou a participar de uma pré-seletiva. Hoje amigos, familiares e atletas se despediram da atleta, que morreu ontem cedo em Dourados depois de 16 dias internada no Hospital Evangélico.

Ela lesionou a coluna em dois locais durante uma luta em campeonato que ocorria no Complexo Esportivo Jorge Antonio Salomão. A lutadora foi operada e a família pediu à Polícia Civil que investigue as circunstâncias da morte. Há suspeita de que ela tenha contraído infecção hospitalar. A instituição ontem divulgou que Daiane morreu em decorrência da lesão na medula e insuficiência respiratória.


Diferente do que foi divulgado, ela não tinha se machucado antes da lesão mais grave, assegurou o técnico da atleta, Alessandro Nascimento. Segundo ele, Daiane não sofreu um golpe, mas se feriu durante um movimento enquanto a adversária fazia uma virada.

Submetida a cirurgia, a jovem adquiriu um quadro de complicações, segundo apurou a reportagem. Familiares e amigos estavam consternados e evitaram conversar com jornalistas. A mãe apenas disse que nada traria a filha de volta. Uma das amigas foi com uma camiseta cheia de frases, entre elas constava que a atleta sempre morará em seu coração e ainda “Amigas não são para um dia e sim para sempre”.

A amiga Juliana Nicodemos Mendonça destacou a inteligência e o humor da lutadora. Rafaela Vieira falou da paixão pelo judô.

Vitórias- Daiane morava em Campo Grande. Ela foi a Dourados especialmente para a competição, em busca de mais vitórias. Nascimento conta que a judoca foi terceira colocada no Campeonato Brasileiro Senium e venceu em três categorias da Copa Hebraica de Judô.


ps: Força para a família e muito mais para a adversária na luta na qual a lesão ocorreu.

Comentários

  1. Eu sinto muito. A morte de uma jovem sempre é uma perda muito grande. Irreparável. E como vc frisou, a garota com a qual ela competiu deve estar se sentindo péssima. É algo muito triste memso.

    ResponderExcluir
  2. Porra, até judô? Triste.

    ResponderExcluir
  3. Nossa, eu acho que a dor d adversária consegue sem bem maior que a da familia, muito triste isso que aconteceu!

    ResponderExcluir
  4. puxa...que fatalidade...
    força pra familia e pra lutadora.

    ResponderExcluir
  5. Triste =/

    Meus pêsames para a família, e confiem sempre em Deus.

    ResponderExcluir
  6. é, mais um sonho destruído.
    Lamentável!
    é o brasil...

    ResponderExcluir
  7. Força para todos os envolvidos. É realmente triste...

    Abraço

    ResponderExcluir
  8. É realmente triste quando algo assim acontece...

    Um grande futuro interrompido...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os 47 ronin, parte 2: A hora da vingança.

Como dito no post anterior,  o daimyo Asano Naganori se viu obrigado a realizar o seppuku por ter ferido um superior no palácio do Shogun.
Tal notícia foi levada para Oishi Kuranosuke Yoshio, conselheiro de Asano, que assumiu o comando e levou a família Asano para longe, antes de cumprir as ordens do Shogunato e entregar o palácio e o feudo para agentes governamentais.
Dos mais de 300 homens de  Asano, 45, junto com o líder Oishi, recusaram-se a permitir que o seu senhor não fosse vingado, embora o Shogunato houvesse proibido a vingança nesse caso. Sim, haviam casos em que a vingança era tolerada.
Eles se uniram, fazendo um juramento secreto para vingar seu mestre matando o vacilão do Kira, mesmo sabendo que seriam punidos severamente por isso.
Só que o Kira tava bem guardado, e sua residência tinha sido fortificada e a segurança reforçada pois todo mundo sabia que os samurai eram meio doidos. Os ronin perceberam que teriam que esperar a poeira baixar antes que pudessem ter uma peque…

Kitânico Blog 2, a Missão.

監督·ばんざい (Kantoku. Banzai!) ou "Glória ao cineasta!" é um filme autobiográfico de Kitano. É o segundo da trilogia autobiográfica, iniciada com Takeshis e terminada com Aquiles e a Tartaruga. Neste ele usa uma forma meio "Monty Python's The Meaning of Life", com várias esquetes meio com uma certa ligação entre si para contar criativamente sobre como um hiato criativo o está atacando. 
 É um filme bem difícil de descrever, é meio como se Ed Wood e Stanley Kubrick se juntassem numa só pessoa e fizesse um filme. E atuasse. E usasse um boneco de fibra como dublê. A forma como ele narra usa recursos propositalmente toscos de computação gráfica, pessoas agindo como se estivessem em anime e hilárias autocríticas a seu estilo e sua fixação por violência e Yakuza. 
Resumindo: Takeshi Kitano, interpretado por Beat Takeshi (Sim, são personalidades distintas) busca desesperadamente um novo gênero que trará o público de volta aos cinemas, visto que seus filmes nunca foram suces…

Kitânico Blog 3, o Desafio Final.

Nessa minha última ida ao festival de Takeshi Kitano na Caixa cultural eu revi "Zatoichi" de 2003. Adoro esse filme, tenho o DVD e sou fã do personagem.
 Zatoichi é um dos personagens de ficção mais conhecidos na literatura do Japão e TV. O personagem foi criado pelo escritor Kan Shimozawa e depois foi adaptado para a TV pelo Daiei Studios e originalmente interpretado por Shintaro Katsu.
 Zatoichi aparece como um anma san (massagista) cego que vagueia ganhando a vida realizando suas massagens, acupuntura e jogando dados. No entento, ele é um excelente espadachim do estilo Muraku-Ryu de kenjutsu e iai e também mostra habilidades em Sumo, taijutsu e kyujutsu.
 Ele não carrega uma katana comum, e sim uma shikomizue (espada disfarçada de bengala). Ou seja, ele passa a imagem de um massagista cego completamente indefeso. Isso, pra mim, é genial.
Então, Kitano sempre foi um fã de Chanbara (o nome original dos filmes de samurai) e nada melhor que esse personagem icônico pra fazer …