Pular para o conteúdo principal

Atômico Blog

Um senhor de 93 anos se tornou,oficialmente, o primeiro sobrevivente das duas bombas atômicas lançadas no Japão ao final da Segunda Guerra.
Seu nome é Tsutomu Yamaguchi, e já havia sido oficialmente declarado como sobrevivente de um dos ataques (no Japão se utiliza o termo "Hibakusha" pra denominar essas pessoas), o de Nagasaki, e foi confirmado também como sobrevivente do ataque em Hiroshima três dias antes.
Ele estava em Hiroshima numa viagem de negócios em 6 de agosto, quando um avião americano lançou a bomba atômica. Ficou com queimaduras no tronco, e retornou para Nagasaki, onde morava, para se cuidar, repousar e esquecer dos horrores da bomba... mas pelo visto não deu muita sorte.
Há quem diga que ele é um sujeito de muita sorte, afinal, sobreviveu à 2 explosões nucleares, onde milhares morreram. Eu já acho que, das duas, uma:

- Ele é azarado pra cacete. Porra, tá lá em Hiroshima e *CABUUUUUUUUUUUUUUUM*, surge o cogumelão atômico. Aí ele vai e pensa: "Caralho, escapei por pouco dessa porra! Vou lá pra casa descansar, esquecer essa merda toda e levar a vida normalmente." Chega em casa, coloca o pijama e os chinelos, olha pela janela e *CABUUUUUUUUUUUUUUUUUUUMMMM*.

- Ele comeu a filha de algum general americano. Não foi um ato de guerra dos EUA, era coisa pessoal!

Comentários

  1. Coitado deste velhinho... E pensando bem, ele não foi nada sortudo, mesmo porque, deve ser radioativo até a raiz dos cabelos!!!

    ResponderExcluir
  2. Anônimo11:54 PM

    Em tempos de guerra o meu manifesto é silencioso...

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Pode até ser que ele não seja uma pessoa sortuda, mas é uma pessoa que adquiriu muita experiência. Ele pode dizer que aproveitou a vida e que fez parte da história.

    ResponderExcluir
  5. Acho que é mais uma questão de sorte mesmo...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Coisificado blog

Sabe como é ter realização profissional? Eu não.
Há um certo tempo venho notando que deixei de ser uma pessoa, o Alexandre Santana, e virei o "rapaz do ponto". Sim, eu cuido da frequência no porto do Rio, em especial da Guarda Portuária. É um trabalho. É digno. É honesto. Mas deixei de ser uma pessoa e me tornei um relógio de ponto. Fui coisificado.
Sim. Na maioria dos dias eu mal chego (07:00) e não ouço bom dia e sim um "Ei, o relógio está com defeito!" ou um "Oi, estou com um probleminha aqui no ponto..." e o pior de todos "Olha, vocês me deram falta aqui (sim, eu fui na frequência de um fdp aleatório e taquei falta, claro...)". 
Eu imagino que na maioria dos empregos realmente seja assim e que eu esteja reclamando de barriga cheia. Pode ser. O problema é que não estou lidando com clientes, e sim com pessoas que trabalham na mesma empresa que eu. Com a grande diferença que estou EFETIVAMENTE trabalhando, diferente da grande maioria.
Foda-se, …

Limítrofe Blog.

Você acorda cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe e você quer um pouco de silêncio em sua vida pois no seu trabalho o telefone toca o tempo todo e em casa você tem vizinhos ouvindo música alta o tempo todo e na frente de casa tem uma porra de um lanterneiro.

E todo o dia a mesma coisa. E todo dia é o Dia da Marmota.

Você já nem aguenta mais ouvir seu n…

Suicida blog

Quero morrer.

Não literalmente. Essa eu aguardo sem muita pressa, mas já sabendo que é inevitável.

É mais uma espécie de "morte figurada", por assim dizer. Aos poucos eu venho matando o Alexandre que foi construído ao longo dos anos e que meio que estacionou. Esse Alexandre já não tem mais muito espaço, esse Alexandre só faz merda e só se afunda.

Esse Alexandre trocou sonhos por segurança. Não que segurança seja ruim, pelo contrário, mas esse Alexandre se acomodou. Muito. Esse Alexandre virou uma pífia sombra daquele Alexandre cheio de sonhos, esperanças e "sangue nos olhos". Sei que aquele Alexandre não volta, ou pode voltar cheio de cicatrizes, mas ESSE Alexandre de hoje em dia precisa morrer.