Pular para o conteúdo principal

Mitológico Blog


  Algum de vocês já presenciou algo que só se lê em livros sobre Mitologia Greco-Romana?

Eu já.

Na verdade, quase todo sábado eu vivo a mesma cena mitológica.
Já ouviram falar do Hades? De Caronte? Do Rio Estiges?
Hades é o nome do deus grego que comanda os INFERNOS, na verdade o lugar também é chamado de Érebo ou Hades mesmo. Os INFERNOS não são como o Inferno judaico-cristão, são apenas as profundezas da Terra, onde existe um tribunal presidido pelo próprio Hades e com 3 juízes: Minos, Éaco e Radamanto, 3 figuras taciturnas que sem hesitação castigam ou recompensam as almas. As almas, após julgadas, ou iam para o Tártaro ( que seria nosso inferno) ou para os Campos Elísios ( que seria nosso céu).
Para chegar neste tribunal a alma percorre um longo caminho. Ao saírem de seus corpos mortos, as almas se dirigiam até as profundezas e, lá chegando, devem ir até a margem do Rio Estiges e entregar um óbolo ( uma moeda) para Caronte, o barqueiro do Rio Estiges, para que ele as conduzisse pelo rio até o tribunal. O óbolo era colocado sob a língua da pessoa ao morrer para que ele a entregasse à Caronte, porém, se a pessoa não tivesse o óbolo, passaria a eternidade vagando pelas margens do rio Estiges.
Tudo isso foi para dar uma idéia sobre os momentos mitológicos da minha vida.
Todo sábado de manhã, lá vou até a margem do Rio Estiges ( ponto de ônibus) pegar meu barco. Se for um sábado chuvoso, sem problemas, mas se for um sábado de sol, começa um suplício.
Entrego meu óbolo (passo o Riocard) à Caronte ( que é duplo aqui, motorista e cobrador) e sigo rumando pelo Rio Estiges ( Avenida Brasil). Viagem aos Infernos. Mas, por quê?
Pegar um 342 ( Jardim América - Castelo) num Sábado de sol é um martírio. Hordas de farofeiros invadem o ônibus com seus cabelos cheios de água oxigenada cremosa, suas panelas com panos úmidos por cima ( pra não ressecar... argh) e suas pranchas de isopor tomando espaço dentro do ônibus. E claro, falando alto e tocando pagode, afinal, tem que ter espaço no ônibus pra tambores e cavaquinhos, né? Este ônibus em particular tem um grande problema. Passa por 3 pontos de alta concentração farofística: Piscinão de Ramos, Estação Leopoldina e Central do Brasil. No piscinão descem algumas pessoas, mas nada que deixe o ônibus mais confortável. Depois, na Leopoldina, descem várias pessoas pra pegar ônibus pra zona sul, e na Central desce o resto, pra pegar ônibus pra Barra da Tijuca. Sobram poucas pessoas no ônibus... poucos gatos pingados que tem mais o que fazer num sábado do que ir pra praia com a Rosicreide e o Uóston.
Esses são meus sábados mitológicos.

Filósofos, Teólogos e afins que me desculpem, mas só eu presencio fatos Mitológicos ao vivo e à cores!!!


Comentários

  1. q injustiça, vc não tem o julgamento de Hades, Radamntes, Éaco e Minus

    ResponderExcluir
  2. Outro fato curioso é que metade dessa horda não paga o óbulo, vai de calote mesmo... pobre Caronte...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Os 47 ronin, parte 2: A hora da vingança.

Como dito no post anterior,  o daimyo Asano Naganori se viu obrigado a realizar o seppuku por ter ferido um superior no palácio do Shogun.
Tal notícia foi levada para Oishi Kuranosuke Yoshio, conselheiro de Asano, que assumiu o comando e levou a família Asano para longe, antes de cumprir as ordens do Shogunato e entregar o palácio e o feudo para agentes governamentais.
Dos mais de 300 homens de  Asano, 45, junto com o líder Oishi, recusaram-se a permitir que o seu senhor não fosse vingado, embora o Shogunato houvesse proibido a vingança nesse caso. Sim, haviam casos em que a vingança era tolerada.
Eles se uniram, fazendo um juramento secreto para vingar seu mestre matando o vacilão do Kira, mesmo sabendo que seriam punidos severamente por isso.
Só que o Kira tava bem guardado, e sua residência tinha sido fortificada e a segurança reforçada pois todo mundo sabia que os samurai eram meio doidos. Os ronin perceberam que teriam que esperar a poeira baixar antes que pudessem ter uma peque…

Natalino Blog

Então, é Natal. Época de paz, confraternização, respeito, religiosidade, harmonia, solidariedade e muitas outras palavras bonitas. Resumindo, é epóca de hipocrisia.
Não, eu não sou contra o Natal e não, não sou contra as pessoas serem pacíficas, fraternais, respeitosas, religiosas, harmônicas, solidárias e outros adjetivos bonitos. Mas seria interessante se fossem assim o ano todo.
Mas o meu problema com Natal é outro. Meu problema com o Natal se resume simplesmente à atmosfera natalina. Minha dúvida é: Todo maldito lugar tem que ficar tocando música natalina????
Porra, eu juro que não aguento mais musiquinha de harpa, "Jingle bells" em ritmo de gospel music, Simone cantando música natalina, malditos brinquedinhos chineses tocando a mesma música em todos os camelôs... além da decoração. Juro que não aguento ver mais pinheiros, sininhos e guirlandas. Aliás, pra quem é alto esse problema fica ainda pior, pois toda hora damos uma cabeçada em alguma guirlanda. Aliás, uma dúvida que…

"Cheio de Ki" blog

Você tem dificuldade em entender como funciona um moinho de vento? Ou como água vira vapor? Ou porque algo queima quando fica muito quente? Você pode até não saber aquelas fórmulas e cálculos da aula de física, mas sabe mais ou menos como o trem funciona e o que há de comum neles todos, não? Pois é, energia. Então, por que raios mistificar a palavra japonesa “Ki”? Pois é basicamente o que ela significa. Nós ocidentais costumamos ter certa dificuldade pra entender termos japoneses (orientais em geral na verdade) e, a maneira japonesa de se expressar acaba dificultando o nosso entendimento também. No caso do “Ki”, levamos o troço pra um nível esotérico, místico e imaginamos ser uma energia interna que nos faz soltar Hadoukens, ou algo como a Força em “Star Wars”. Nos parece um termo que só é utilizado por algum coroa igual ao Pai Mei, isolado em alguma montanha no lugar mais isolado, mas na verdade é um termo bem comum. Por exemplo: 磁気 (JIKI) , nos remete ao magnetismo. 電気 (Denki),…