Pular para o conteúdo principal

Mitológico Blog


  Algum de vocês já presenciou algo que só se lê em livros sobre Mitologia Greco-Romana?

Eu já.

Na verdade, quase todo sábado eu vivo a mesma cena mitológica.
Já ouviram falar do Hades? De Caronte? Do Rio Estiges?
Hades é o nome do deus grego que comanda os INFERNOS, na verdade o lugar também é chamado de Érebo ou Hades mesmo. Os INFERNOS não são como o Inferno judaico-cristão, são apenas as profundezas da Terra, onde existe um tribunal presidido pelo próprio Hades e com 3 juízes: Minos, Éaco e Radamanto, 3 figuras taciturnas que sem hesitação castigam ou recompensam as almas. As almas, após julgadas, ou iam para o Tártaro ( que seria nosso inferno) ou para os Campos Elísios ( que seria nosso céu).
Para chegar neste tribunal a alma percorre um longo caminho. Ao saírem de seus corpos mortos, as almas se dirigiam até as profundezas e, lá chegando, devem ir até a margem do Rio Estiges e entregar um óbolo ( uma moeda) para Caronte, o barqueiro do Rio Estiges, para que ele as conduzisse pelo rio até o tribunal. O óbolo era colocado sob a língua da pessoa ao morrer para que ele a entregasse à Caronte, porém, se a pessoa não tivesse o óbolo, passaria a eternidade vagando pelas margens do rio Estiges.
Tudo isso foi para dar uma idéia sobre os momentos mitológicos da minha vida.
Todo sábado de manhã, lá vou até a margem do Rio Estiges ( ponto de ônibus) pegar meu barco. Se for um sábado chuvoso, sem problemas, mas se for um sábado de sol, começa um suplício.
Entrego meu óbolo (passo o Riocard) à Caronte ( que é duplo aqui, motorista e cobrador) e sigo rumando pelo Rio Estiges ( Avenida Brasil). Viagem aos Infernos. Mas, por quê?
Pegar um 342 ( Jardim América - Castelo) num Sábado de sol é um martírio. Hordas de farofeiros invadem o ônibus com seus cabelos cheios de água oxigenada cremosa, suas panelas com panos úmidos por cima ( pra não ressecar... argh) e suas pranchas de isopor tomando espaço dentro do ônibus. E claro, falando alto e tocando pagode, afinal, tem que ter espaço no ônibus pra tambores e cavaquinhos, né? Este ônibus em particular tem um grande problema. Passa por 3 pontos de alta concentração farofística: Piscinão de Ramos, Estação Leopoldina e Central do Brasil. No piscinão descem algumas pessoas, mas nada que deixe o ônibus mais confortável. Depois, na Leopoldina, descem várias pessoas pra pegar ônibus pra zona sul, e na Central desce o resto, pra pegar ônibus pra Barra da Tijuca. Sobram poucas pessoas no ônibus... poucos gatos pingados que tem mais o que fazer num sábado do que ir pra praia com a Rosicreide e o Uóston.
Esses são meus sábados mitológicos.

Filósofos, Teólogos e afins que me desculpem, mas só eu presencio fatos Mitológicos ao vivo e à cores!!!


Comentários

  1. q injustiça, vc não tem o julgamento de Hades, Radamntes, Éaco e Minus

    ResponderExcluir
  2. Outro fato curioso é que metade dessa horda não paga o óbulo, vai de calote mesmo... pobre Caronte...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Limítrofe Blog.

Você acorda cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe e você quer um pouco de silêncio em sua vida pois no seu trabalho o telefone toca o tempo todo e em casa você tem vizinhos ouvindo música alta o tempo todo e na frente de casa tem uma porra de um lanterneiro.

E todo o dia a mesma coisa. E todo dia é o Dia da Marmota.

Você já nem aguenta mais ouvir seu n…

Coisificado blog

Sabe como é ter realização profissional? Eu não.
Há um certo tempo venho notando que deixei de ser uma pessoa, o Alexandre Santana, e virei o "rapaz do ponto". Sim, eu cuido da frequência no porto do Rio, em especial da Guarda Portuária. É um trabalho. É digno. É honesto. Mas deixei de ser uma pessoa e me tornei um relógio de ponto. Fui coisificado.
Sim. Na maioria dos dias eu mal chego (07:00) e não ouço bom dia e sim um "Ei, o relógio está com defeito!" ou um "Oi, estou com um probleminha aqui no ponto..." e o pior de todos "Olha, vocês me deram falta aqui (sim, eu fui na frequência de um fdp aleatório e taquei falta, claro...)". 
Eu imagino que na maioria dos empregos realmente seja assim e que eu esteja reclamando de barriga cheia. Pode ser. O problema é que não estou lidando com clientes, e sim com pessoas que trabalham na mesma empresa que eu. Com a grande diferença que estou EFETIVAMENTE trabalhando, diferente da grande maioria.
Foda-se, …

Suicida blog

Quero morrer.

Não literalmente. Essa eu aguardo sem muita pressa, mas já sabendo que é inevitável.

É mais uma espécie de "morte figurada", por assim dizer. Aos poucos eu venho matando o Alexandre que foi construído ao longo dos anos e que meio que estacionou. Esse Alexandre já não tem mais muito espaço, esse Alexandre só faz merda e só se afunda.

Esse Alexandre trocou sonhos por segurança. Não que segurança seja ruim, pelo contrário, mas esse Alexandre se acomodou. Muito. Esse Alexandre virou uma pífia sombra daquele Alexandre cheio de sonhos, esperanças e "sangue nos olhos". Sei que aquele Alexandre não volta, ou pode voltar cheio de cicatrizes, mas ESSE Alexandre de hoje em dia precisa morrer.