Pular para o conteúdo principal

Minoritário Blog


Existe no Brasil e no mundo um imenso mimimi sobre as adaptações que deveriam ser feitas na sociedade e em locais públicos para facilitar a vida de usuários e/ou contribuintes que pertencem às tão faladas minorias. Quem seriam os integrantes dessas minorias? No Brasil seriam os anões, obesos, deficientes físicos, negros ( minoria?), homossexuais, orientais, pessoas de baixa renda ( minoria??), etc... Bem, essas mudanças não necessariamente são feitas à favor das minorias, vide o caso dos fumantes que ficam cada vez mais relegados à um cantinho ( literalmente) nos shoppings, restaurantes e escritórios, mas o fato é que essas mudanças ocorrem e favorecem algum segmento da sociedade. Vejamos os exemplos:

- Cadeiras mais largas para os obesos
- Telefones mais baixos para os anões
- Semáforos sonoros para os cegos
- Cotas para negros e pessoas de baixa renda
- Closed Caption para surdos
- Calçadas mais baixas e assentos sanitários adaptados aos deficientes físicos

Mas, existe uma minoria na sociedade que nunca é lembrada e, quando um de seus membros diz que a sociedade não é adaptada para eles, as pessoas dizem que eles não tem do que reclamar. Quem são os incompreendidos membros da sociedade que fazem parte desta minoria não reconhecida? São os altos. Sim, caros 4 leitores, eu faço parte desta minoria incompreendida por esta sociedade de baixa estatura. Todos desta sociedade baixinha acham que não temos problemas pelo fato de não precisarmos de escada para trocar uma lâmpada mas, por baixo desta alta estatura que possuímos, existem corações amargurados pelo descaso da sociedade verticalmente prejudicada. E quais os problemas que nós, altos, temos que passar no nosso cotidiano num mundo feito para atender as necessidades da sociedade pintora de rodapé? Veja abaixo como nós, altos, sofremos neste mundo nanico:
- Termos de, ou sentar no fundo da sala de aula, ou abaixar a cabeça pra que outros enxerguem o quadro negro.
- Colocar o banco do motorista todo para trás para podermos dirigir.
- Chuveiros baixos
- Encontrar calças adequadas
- Bater a cabeça no ferro do ônibus ou levar um tapa na cabeça quando algum baixinho vai segurar o ferro do ônibus
- Ter de pagar passagem de avião de classe executiva, no mínimo, se quiser chegar ao destino com seus joelhos intactos.
- Abaixar a cabeça no cinema pro nanico que está sentado no banco de trás possa assistir o filme.
- Dar cabeçada em ovos de Páscoa.
- Dormir com os pés pra fora da cama
- Se abaixar pra aparecer em foto junto com pigmeus.
- Aturar cidadãos de Lilliput dizendo que você deveria jogar basquete.
- Ir em feiras livres e perceber que as barracas são feitas pra que salva-vidas de aquário não batam com a cabeça.
- Toldos de lojas gerenciadas por guarda-costas de Playmobil.





Perceberam as dificuldades que nós, altos, passamos no nosso dia a dia? Não são poucas as provações que esta sociedade maquinista de Ferrorama nos impõe! Nós, altos, deveríamos fundar uma ONG em defesa dos nossos direitos, visto que pagamos tantos impostos quanto qualquer cidadão.
Vamos deixar a sociedade brasileira num nível mais alto!!!!

Comentários

  1. Se antes eu já passava por isso tudo e nem sou tão alta assim, agora vejo como os mais altos ainda sofrem, pois meu namorado tem 195 cm... Não é fácil...

    Valeu o texto, Alexandre!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Concordo com todos os meus 2 metros e 143 quilos!

    ResponderExcluir
  3. Nem sou tão alto quanto você, mas aos meus 187cm, toda essa dificuldade já se faz presente... gordo então... comprar roupa é sempre um suplício: ou fica apertada, ou fica curta... para ficar legal, você compra (quando acha) dois números acima, e aí não fica legal, voltamos à estaca zero...

    Apoiado, Warui!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Limítrofe Blog.

Você acorda cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe e você quer um pouco de silêncio em sua vida pois no seu trabalho o telefone toca o tempo todo e em casa você tem vizinhos ouvindo música alta o tempo todo e na frente de casa tem uma porra de um lanterneiro.

E todo o dia a mesma coisa. E todo dia é o Dia da Marmota.

Você já nem aguenta mais ouvir seu n…

Coisificado blog

Sabe como é ter realização profissional? Eu não.
Há um certo tempo venho notando que deixei de ser uma pessoa, o Alexandre Santana, e virei o "rapaz do ponto". Sim, eu cuido da frequência no porto do Rio, em especial da Guarda Portuária. É um trabalho. É digno. É honesto. Mas deixei de ser uma pessoa e me tornei um relógio de ponto. Fui coisificado.
Sim. Na maioria dos dias eu mal chego (07:00) e não ouço bom dia e sim um "Ei, o relógio está com defeito!" ou um "Oi, estou com um probleminha aqui no ponto..." e o pior de todos "Olha, vocês me deram falta aqui (sim, eu fui na frequência de um fdp aleatório e taquei falta, claro...)". 
Eu imagino que na maioria dos empregos realmente seja assim e que eu esteja reclamando de barriga cheia. Pode ser. O problema é que não estou lidando com clientes, e sim com pessoas que trabalham na mesma empresa que eu. Com a grande diferença que estou EFETIVAMENTE trabalhando, diferente da grande maioria.
Foda-se, …

Suicida blog

Quero morrer.

Não literalmente. Essa eu aguardo sem muita pressa, mas já sabendo que é inevitável.

É mais uma espécie de "morte figurada", por assim dizer. Aos poucos eu venho matando o Alexandre que foi construído ao longo dos anos e que meio que estacionou. Esse Alexandre já não tem mais muito espaço, esse Alexandre só faz merda e só se afunda.

Esse Alexandre trocou sonhos por segurança. Não que segurança seja ruim, pelo contrário, mas esse Alexandre se acomodou. Muito. Esse Alexandre virou uma pífia sombra daquele Alexandre cheio de sonhos, esperanças e "sangue nos olhos". Sei que aquele Alexandre não volta, ou pode voltar cheio de cicatrizes, mas ESSE Alexandre de hoje em dia precisa morrer.