Pular para o conteúdo principal

Antifutebolístico blog

"O futebol deve ser o esporte mais invejoso que existe.
Eu lembro que nas chaves de campeonatos de luta, quando você perde pra um cara, você torce para que ele venha a ser campeão, porque ao menos você pode dizer "perdi pro cara que foi campeão", ou seja, você perdeu pro melhor cara da chave.
Em futebol é o contrário, o que vale é o rancor." 

- Gustavo Lima

Não é segredo pra ninguém que desprezo o futebol. O esporte em si acho chato e ver jogadores fingindo lesão me soa escroto ao extremo. Só que a maior parte do meu desprezo vem justamente dos torcedores. 
Tudo começou nos anos 80, quando eu era um mero moleque catarrento. Um tio e um primo, vascaínos (e definitivamente meu desprezo pelo Vasco é maior do que pelos outros times) agiam como completos imbecis quando o timeco ganhava. Mas desapareciam quando perdia. Isso me parecia tão retardado que surgiu em mim um sentimento de "não quero ser assim", e fui desenvolvendo um completo asco por esse esporte e seus fãs médios.
E eu percebia esse comportamento imbecil na escola, nas aulas de Ed. Física. Como na maioria dos lugares, o professo só se preocupava em entregar uma bola e mandar os alunos formarem times e jogarem. E era sempre assim: Se o time ganha, êeeeee, o time ganhou! Mas se perdia, já se procuravam logo os culpados. Acho que por isso sempre preferi praticar esportes individuais, tipo natação ou artes marciais. E era bom nesses.
Especificamente sobre artes marciais, é bem isso que o Gustavo falou. Eu torcia pro cara que viesse a me eliminar. E ficava feliz se ele fosse campeão pois, caralho, perdi pro campeão. E como espectador, tenho sim lutadores favoritos, mas entendo que perder faz parte e sempre torço por uma luta boa de se ver, independente de ser técnica ou simplesmente "sanguenosolhos", muito diferente do torcedor padrão de futebol.


Resultado de imagem para hue br futebol

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Coisificado blog

Sabe como é ter realização profissional? Eu não.
Há um certo tempo venho notando que deixei de ser uma pessoa, o Alexandre Santana, e virei o "rapaz do ponto". Sim, eu cuido da frequência no porto do Rio, em especial da Guarda Portuária. É um trabalho. É digno. É honesto. Mas deixei de ser uma pessoa e me tornei um relógio de ponto. Fui coisificado.
Sim. Na maioria dos dias eu mal chego (07:00) e não ouço bom dia e sim um "Ei, o relógio está com defeito!" ou um "Oi, estou com um probleminha aqui no ponto..." e o pior de todos "Olha, vocês me deram falta aqui (sim, eu fui na frequência de um fdp aleatório e taquei falta, claro...)". 
Eu imagino que na maioria dos empregos realmente seja assim e que eu esteja reclamando de barriga cheia. Pode ser. O problema é que não estou lidando com clientes, e sim com pessoas que trabalham na mesma empresa que eu. Com a grande diferença que estou EFETIVAMENTE trabalhando, diferente da grande maioria.
Foda-se, …

Limítrofe Blog.

Você acorda cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe e você quer um pouco de silêncio em sua vida pois no seu trabalho o telefone toca o tempo todo e em casa você tem vizinhos ouvindo música alta o tempo todo e na frente de casa tem uma porra de um lanterneiro.

E todo o dia a mesma coisa. E todo dia é o Dia da Marmota.

Você já nem aguenta mais ouvir seu n…

Suicida blog

Quero morrer.

Não literalmente. Essa eu aguardo sem muita pressa, mas já sabendo que é inevitável.

É mais uma espécie de "morte figurada", por assim dizer. Aos poucos eu venho matando o Alexandre que foi construído ao longo dos anos e que meio que estacionou. Esse Alexandre já não tem mais muito espaço, esse Alexandre só faz merda e só se afunda.

Esse Alexandre trocou sonhos por segurança. Não que segurança seja ruim, pelo contrário, mas esse Alexandre se acomodou. Muito. Esse Alexandre virou uma pífia sombra daquele Alexandre cheio de sonhos, esperanças e "sangue nos olhos". Sei que aquele Alexandre não volta, ou pode voltar cheio de cicatrizes, mas ESSE Alexandre de hoje em dia precisa morrer.