Pular para o conteúdo principal

Rockinriozístico Blog, parte 1

 Ontem fui novamente ao Rock in Rio. Falem o que quiser, mas eu gosto desse programa de índio. E dessa vez o transporte foi até bem facilitado (NADA que se compare ao de 2001, com seus ônibus saindo de inúmeras partes da cidade, incluindo Vigário Geral), não sendo um grande inferno como o de 2013.

Basicamente descemos quase em frente à entrada, num terminal do BRT. Apesar da grande quantidade de pessoas, o fluxo seguia normal. 

A entrada em si demorou, pois havia uma fila pra já garantir a passagem do BRT na volta, a fila da revista e a da bilheteria, mas não foi nenhum absurdo. Demorava mais desviar das inúmeras selfies sendo tiradas. 

Havia, por alguma razão, uma área dedicada aos games e afins, com alguns cosplayers. E nunca escondi meu desprezo por esse tipo. 

Havia muita gente com camiseta do Rock in Rio. No Rock in Rio. Fiquei imaginando que seria um tipo de abadá pra uma micareta. 

Havia uma galera com roupa tipo de motoqueiro americano. Ou aquela galera parecendo punk. Ou metaleiro. O som mais pesado do dia seria o Maroon 5. Enfim...

Havia uma rua temática africana. Estereotipada mesmo. Não que haja problema nisso. Vi uma banda africana (sei lá o país) tocando uma música alegre, que imaginei falar sobre elefantes. Acho que o som de elefantes e um elefante (tipo dança do leão dos chineses) me deram essa dica. 

Me senti num episódio de "Além da Imaginação" quando me vi obrigado a assistir um bando de desconhecidos num palco (Youtubers, me disseram) dançando funk e um monte de gente achando isso maravilhoso.

Rock District. Tenho um certo apreço por esse cantinho. Ele nunca deixa de me surpreender. Sempre me brinda com bandas interessantes e dessa vez não foi diferente. Achei estranho ver um ator global ali, o Andre Frasteschi, no palco. Mas, caralho, como foi foda o show. O melhor da noite pra mim. Quando ele tocou "Black Hole Sun" eu juro que tremi na base.

Tocou o tal do Shaun (Shawn? sei lá) Mendes. Bom pra dormir. 

Fergie. A mulher basicamente grita. O tal do Pablo Vittar subiu no palco com ela em certo momento. Deve ter alguma cota, pois só isso pra explicar o sucesso, visto que qualidade tá em falta. Subiu o Sergio Mendes e tocou aquela sua única música. A Fergie fez enrolation.

Maroon 5. A banda na verdade nunca me disse nada. Mas me surpreendeu. Não exatamente pelo estilo. Não é ruim, mas não é do tipo que gosto. Mas foi um bom show, não posso negar. 

Fui basicamente pra acompanhar minha esposa, que queria ver a banda. E hoje ela vai de novo, mas Alicia Keys e Justin Timberlake é demais pra mim. Dia 24 estarei lá, mas aí é pelo Sepultura, Red Hot Chilli Peppers e The Offspring.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, céu, multidão e atividades ao ar livre



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Limítrofe Blog.

Você acorda cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe.

Você acorda cedo e sai de casa cedo pois pega dois ônibus para ir pro trabalho pois quer ir em relativo silêncio visto que no trem, onde você levaria somente meia hora para chegar ao trabalho, o silêncio é algo que não existe e você quer um pouco de silêncio em sua vida pois no seu trabalho o telefone toca o tempo todo e em casa você tem vizinhos ouvindo música alta o tempo todo e na frente de casa tem uma porra de um lanterneiro.

E todo o dia a mesma coisa. E todo dia é o Dia da Marmota.

Você já nem aguenta mais ouvir seu n…

Coisificado blog

Sabe como é ter realização profissional? Eu não.
Há um certo tempo venho notando que deixei de ser uma pessoa, o Alexandre Santana, e virei o "rapaz do ponto". Sim, eu cuido da frequência no porto do Rio, em especial da Guarda Portuária. É um trabalho. É digno. É honesto. Mas deixei de ser uma pessoa e me tornei um relógio de ponto. Fui coisificado.
Sim. Na maioria dos dias eu mal chego (07:00) e não ouço bom dia e sim um "Ei, o relógio está com defeito!" ou um "Oi, estou com um probleminha aqui no ponto..." e o pior de todos "Olha, vocês me deram falta aqui (sim, eu fui na frequência de um fdp aleatório e taquei falta, claro...)". 
Eu imagino que na maioria dos empregos realmente seja assim e que eu esteja reclamando de barriga cheia. Pode ser. O problema é que não estou lidando com clientes, e sim com pessoas que trabalham na mesma empresa que eu. Com a grande diferença que estou EFETIVAMENTE trabalhando, diferente da grande maioria.
Foda-se, …

Suicida blog

Quero morrer.

Não literalmente. Essa eu aguardo sem muita pressa, mas já sabendo que é inevitável.

É mais uma espécie de "morte figurada", por assim dizer. Aos poucos eu venho matando o Alexandre que foi construído ao longo dos anos e que meio que estacionou. Esse Alexandre já não tem mais muito espaço, esse Alexandre só faz merda e só se afunda.

Esse Alexandre trocou sonhos por segurança. Não que segurança seja ruim, pelo contrário, mas esse Alexandre se acomodou. Muito. Esse Alexandre virou uma pífia sombra daquele Alexandre cheio de sonhos, esperanças e "sangue nos olhos". Sei que aquele Alexandre não volta, ou pode voltar cheio de cicatrizes, mas ESSE Alexandre de hoje em dia precisa morrer.